10 mitos e verdades sobre reprodução humana

Uma pesquisa divulgada pela Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados (Seade) analisou dados sobre natalidade entre os anos 2000 e 2019 no Estado de São Paulo, revelando que o número de mulheres que foram mães acima dos 30 anos aumentou consideravelmente. 

Esta pesquisa mostrou que as mulheres que tiveram filhos entre 30 e 39 anos saltou de 26% para 39,1% entre 2000 e 2019. Enquanto isso, aquelas que optaram por serem mães com menos de 20 anos caiu de 19,5% para 10,4%. 

Esta mudança na idade em que as mulheres têm decido ter filhos se deve, principalmente, ao desejo de se estabelecer na carreira e conquistar a independência — o que geralmente ocorre após os 30 anos, idade em que as mulheres se sentem preparadas para a maternidade.

Entretanto, este é o mesmo período em que uma gravidez natural se torna mais complicada e a cada dia mais mulheres procuram métodos de reprodução humana e o congelamento de óvulos. Pensando nisso, preparamos este artigo para sanar dúvida e derrubar os principais mitos sobre reprodução humana ligada ao congelamento de óvulos.

Principais dúvidas sobre Reprodução Humana

  1. Existe uma idade máxima para congelar os óvulos? 

Para esta pergunta, a resposta é não, mas existem ressalvas. Apesar de não haver um limite de idade para congelamento de óvulos, especialistas indicam que o procedimento seja feito até os 35 anos. Visto que, após esta idade, os óvulos apresentam menores chances de se transformarem em embriões.

  1. Existe prazo para o descongelamento do óvulo?

Para esta técnica de reprodução humana, não há tempo limite para manter os óvulos congelados. É importante, apenas, que o procedimento seja realizado em um local sério e por profissionais especializados.

  1. Quais métodos de congelamento existem?

Há dois principais meios de realizar o congelamento de óvulos. O primeiro é por meio do congelamento lento, em que o óvulo é submetido a uma temperatura que vai caindo de forma gradual até atingir o congelamento, assim evitando a formação de cristais de gelo. O que não é recomendável, pois os óvulos podem se romper.

No segundo método, o de congelamento rápido, os óvulos são congelados de forma instantânea. Desta forma, a formação dos cristais de gelo também é menor.

  1.  O que devo fazer caso desista de manter os óvulos congelados?

Você pode fazer a doação destes óvulos para outra mulher que deseje engravidar por meio de algum método de reprodução humana ou descartar os óvulos. Basta que a paciente assine um termo para a opção que decida seguir.

  1. Para quais situações o método de congelamento de óvulos é indicado? 

São muitas as situações em que este procedimento é indicado, desde mulheres que ainda não decidiram sobre ter ou não ter filhos, até mulheres que estejam passando por tratamento de doenças. Veja algumas outras indicações:

  • Mulheres com endometriose;
  • Mulheres com risco de menopausa precoce;
  • Mulheres que não estão prontas para terem filhos no momento, seja por motivos pessoais ou profissionais;
  • Mulheres que vão passar por tratamentos de doenças como o câncer.
  1. Qual a quantidade indicada de óvulos para o congelamento? 

Não há como apontar uma quantidade exata, e a paciente deve passar por uma avaliação com especialista. Após saber por qual motivo a paciente decidiu optar por este procedimento é que a quantidade é definida. Alguns profissionais indicam uma quantidade de 20 óvulos como ideal. 

  1. Quais são os riscos? 

Como todo procedimento que envolve a reprodução humana assistida, há riscos no congelamento de óvulos. A mulher precisa ingerir medicamentos que estimulem a produção de hormônios e, com isso, pode desenvolver alergias ou a reprodução em demasia de óvulos.

Entretanto, é importante ressaltar que os riscos sempre podem ser amenizados pela equipe profissional envolvida. 

  1. Quais são as diferenças entre a gravidez com óvulo congelado e a natural?

Não há diferença entre os tipos de gravidez, o processo de congelamento preserva todas as características dos gametas, portanto, não há com o que se preocupar quanto a isso. 

  1.  Desisti de usar meus óvulos congelados, posso doá-los para alguém da família? 

A legislação brasileira permite a doação de óvulos, desde que a doadora seja anônima. Desta forma, a mulher não pode escolher para quem doar os óvulos, o sigilo deve ser mantido. 

  1. Existe ligação entre o congelamento de óvulos e a menopausa precoce?

Não. O processo feito antes do congelamento apenas estimula a produção hormonal para que os folículos que já contêm óvulos sejam recolhidos. Estes óvulos seriam perdidos normalmente no ciclo menstrual, por isso, não muda nada na menopausa da paciente. 

Vale ressaltar que antes do congelamento de óvulos, a paciente precisa passar por avaliações e exames com profissionais especializados. Durante o estímulo da produção de hormônios é preciso que um especialista acompanhe e analise o processo para que tudo corra conforme o planejado.