Paulinia-SP 7/5/2020 – A ibogaína e seu metabólito noribogaína levam a um aumento substancial dos níveis de GDNF no cérebro.

O tratamento com ibogaína, em particular por meio da abordagem de microdosagem, permite um aumento dos níveis de GDNF no cérebro, sem os efeitos colaterais dos medicamentos usados ​​convencionalmente.

Após a doença de Alzheimer, a doença de Parkinson é a segunda doença neurodegenerativa mais comum e atualmente não é curável. A doença se manifesta pela perda progressiva de células nervosas, principalmente de neurônios dopaminérgicos na substância negra (parte do mesencéfalo). Isso resulta em falta de dopamina no estriado (parte subcortical do cérebro anterior), além de disfunção nas funções motoras, tremores, rigidez muscular, problemas de linguagem e perda geral de equilíbrio e coordenação.

Esses sintomas físicos também são acompanhados por efeitos psicológicos como demência e depressão. Pensa-se que os aspectos neurodegenerativos da doença de Parkinson são causados ​​pelo sistema imunológico do corpo. O tecido do sistema nervoso saudável é atacado quando o sistema imunológico não é mais capaz de distinguir entre células saudáveis ​​e células doentes, semelhantes a doenças autoimunes, como esclerose múltipla, fibromialgia e polineuropatia.

O GDNF (fator neurotrófico derivado da linha de células da glia) é uma proteína descoberta em 1991 com um efeito extraordinariamente positivo no tecido das células nervosas. O GDNF estimula o crescimento de células nervosas, especialmente os neurônios da dopamina. Além da capacidade de regenerar células nervosas no cérebro, o GDNF também parece possuir propriedades neuroprotetoras.


Numa experiência animal publicada na Liberty Root, em que ratos com doença de Parkinson receberam GDNF injetado diretamente no cérebro, foi observada uma melhora significativa nos sintomas. Após um ano, ainda não havia efeitos colaterais indesejáveis ​​da administração do GDNF. Estudos iniciais mostraram que o GDNF melhora significativamente a condição geral dos pacientes parkinsonianos. Os dados resultantes sugerem que novas células nervosas se formaram.

A ibogaína e seu metabólito noribogaína levam a um aumento substancial dos níveis de GDNF no cérebro. Isso indica que a ibogaína pode fornecer um tratamento muito eficaz para doenças neurodegenerativas, como os Parkinson.

Até agora, não era possível introduzir o GDNF diretamente nas regiões desejadas do cérebro. Mas a ibogaína estimula as células gliais e os neurônios a produzirem o próprio GDNF, aumentando os níveis de GDNF em todo o cérebro. A Phytostan, uma empresa farmacêutica focada no desenvolvimento da ibogaína, desenvolveu um medicamento à base de ibogaína chamado CK-BR 12. Esse composto é o Ibogaine HCL e um coquetel composto de 12 vitaminas.

O paciente D é um paciente com 69 anos de doença de Parkinson e até agora o único ser humano tratado com Ibogaína por sua condição. O paciente D relatou inúmeras mudanças positivas em relação à sua doença: ele pôde engolir novamente, a expressão da fala e da face melhorou visivelmente, o controle das mãos aumentou e ele pôde escrever novamente de forma legível. Além disso, suas habilidades motoras gerais aumentaram.

Ele poderia se vestir novamente, comer de forma independente e subir escadas – todas as atividades que não eram possíveis antes do tratamento. A sintomatologia de Parkinson também melhorou após o término do tratamento. O paciente D. foi examinado por vários médicos e também pela farmacologista Dra. Susanne Cappendijk da Sempre Clarus Consulting, que apresentou os resultados promissores na conferência da Academia de Ciências de Nova York em 27 de abril de 2015.

O tratamento sintomático padrão é realizado predominantemente com medicamentos com fortes efeitos colaterais. A qualidade de vida dos pacientes é frequentemente caracterizada por um sofrimento significativo na fase terminal. Por outro lado, o tratamento com ibogaína, em particular por meio da abordagem de microdosagem, permite um aumento dos níveis de GDNF no cérebro, sem os efeitos colaterais dos medicamentos usados ​​convencionalmente.

Foi relatado que 4 mg de Ibogaína HCL podem aumentar os níveis de GDNF no cérebro em um fator de 12. A neuroplasticidade aumentada pelo crescimento de novos neurônios promove a restauração e a construção de tratos nervosos. Além disso, o desafio de introduzir o GDNF por injeção no cérebro é evitado. Esses resultados podem ajudar a redefinir a posição da ibogaína na pesquisa geral e – à medida que as propriedades de cura sempre desconhecidas da planta são descobertas – abrem novas áreas de pesquisa e, assim, alcançam uma aceitação social e regulatória mais ampla.

Na conferência de Ibogaine em 2016, o Dr. Ignacio Carrera, da Universidade da República do Uruguai, apresentou a pesquisa de um grupo interdisciplinar. Novas variações da estrutura molecular da ibogaína foram desenvolvidas para melhorar a produção de GDNF. O grupo de N-indoliletil isoquinuclidinas parece ser mais promissor. A síntese dessas moléculas é muito menos complexa que a da ibogaína e existem vários derivados promissores. Alguns dos análogos causam uma liberação in vitro ainda maior de GDNF do que a ibogaína, mas podem ter efeitos citotóxicos dependendo da estrutura. A pesquisa nesse campo ainda é incipiente, mas tem um potencial enorme.

No Brasil, a ibogaína ainda não foi registrada pela Anvisa, sua comercialização é proibida (com exceção de importações para fins de pesquisa) e que a Agência de Saúde ainda não reconhece oficialmente a eficácia e segurança dos tratamentos com a substância.

Website: https://www.clinicaibta.com.br