geração de energia eólica
geração de energia eólica

Por Sidney Santos

Neste ano, o Brasil foi assolado, mais uma vez, por uma crise hídrica e, consequentemente, energética. Com este cenário, outras fontes de energia, especialmente renováveis, ganharam notoriedade, tornando-se alternativas eficientes para o abastecimento de energia do país. Nesse sentido, destaca-se a energia eólica, obtida a partir da força do vento, a qual deve gerar, no mundo todo, 3,3 milhões de empregos nos próximos cinco anos, de acordo com um levantamento do Conselho Global de Energia Eólica (GWEC) .

O estudo revela ainda que o Brasil será o principal responsável pela expansão do setor até 2025, respondendo por pelo menos 37% do seu crescimento em toda a América Latina. Atualmente, o país é detentor do 7º lugar no ranking mundial em termos de capacidade instalada e, mesmo em meio à pandemia, em 2021 a indústria eólica brasileira chegou à marca de 19 GW de capacidade instalada, segundo pesquisa da Associação Brasileira de Energia Eólica (Abeeólica).

No entanto, para produzir energia eólica, são necessários maquinários e equipamentos caros e complexos, que geralmente exigem uma manutenção minuciosa e constante. É neste momento que se deve considerar essencial investir em bons componentes para as máquinas, como um lubrificante industrial adequado, para garantir a manutenção correta e a eficiência na geração de energia.

A importância do lubrificante na indústria eólica

Os lubrificantes têm grande importância para o funcionamento dos elementos mecânicos presentes na torre eólica, uma vez que garantem o máximo de confiabilidade na operação e aumento da vida útil das peças dos equipamentos.

Além disso, as turbinas eólicas estão cada vez mais elaboradas e maiores, exigindo um desempenho praticamente perfeito de todos os seus componentes. Para se ter uma ideia, as turbinas chegam a ter diâmetros de rotor de 200 metros, rolamentos maiores do que três metros e rolamentos das pás com oito metros. Nestes casos, os componentes devem ter alta tecnologia e garantir que a turbina funcione em perfeita harmonia, evitando manutenções futuras e tornando a energia eólica ainda mais competitiva no mercado.

Sendo assim, para que sejam considerados ideais, os lubrificantes devem resistir a diversos tipos de intempéries e mudanças climáticas, como poeira, água, salinidade, frio e calor extremo. Geralmente, as torres estão localizadas próximas ao mar ou em cima de serras, portanto, as graxas devem estender ao máximo a re-lubrificação, uma vez que não é comum subir nas torres com frequência.

Neste mercado, os lubrificantes são desenvolvidos em conjunto com o fabricante da torre eólica, o qual depois de aprovado, homologa os óleos ou as graxas para utilização em seus equipamentos por todo o mundo. Desta forma, a aplicação pode ser realizada em diversas partes da máquina, como nos rolamentos (graxas especiais), nas coroas dentadas (graxas especiais), na caixa de engrenagem (óleo sintético) e no DriveTrain (óleo hidráulico de alto índice de viscosidade).

Benefícios da energia eólica

Os parques de energia eólica podem ser instalados em terra (onshore) ou no mar (offshore) e, atualmente, a maioria das instalações encontram-se no nordeste do Brasil (80%), segundo a Abeeólica. As instalações de parques industriais de energia eólica offshore são muito comuns em outros países, como no Mar do Norte na Alemanha. No Brasil, novos projetos estão sendo iniciados, para que, quando concretizados, aumentem a capacidade de produção de energia para gerar no mínimo mais trinta anos de projetos no setor.

Considerando o cenário atual e as perspectivas futuras, a energia eólica proporciona inúmeras vantagens, seja ao produtor, consumidor final ou meio ambiente. Isto ocorre por ser uma energia limpa, renovável, barata e inesgotável. Além disso, os parques eólicos não emitem CO2 e o local de colocação das torres permite que o proprietário de terra siga com suas plantações ou criação de gado.

Todavia, mesmo com diversos benefícios, uma torre parada gera um custo muito alto para a indústria de energia eólica e a manutenção dos seus elementos mecânicos também conta com um valor elevado. Por isso, é necessário investir em lubrificantes industriais e outros componentes de alta tecnologia para manter a turbina em perfeito funcionamento, garantindo ainda mais eficiência e confiabilidade e assim mantendo a energia eólica em pleno crescimento no país.

Sidney Santos é Coordenador Técnico WindPower da FUCHS , maior fabricante independente de lubrificantes e produtos relacionados do mundo.