Pode parecer antiquado, mas no tempo em que a gente estudava Educação Moral e Cívica, aprendíamos sobre os símbolos nacionais. Eles, muito mais do que o Brasil, representam o povo brasileiro. Dois deles são muito expressivos para nosso povo: o Hino Nacional e a Bandeira Nacional.

Basta ver os dias em que ocorrem (ou ocorriam) jogos da seleção brasileira. Há uma efervescência de sentimento de brasilidade que dá gosto de ver: os torcedores vestindo o verde-amarelo e fazendo coro ao som do hino nacional, no início do jogo. E mais ainda, quando a banda para de tocar, ao terminar a primeira parte do hino, a multidão do estádio continua cantando e balançando a bandeira… e em muitas residências pelo Brasil afora a bandeira e o hino repercutem o som do estádio.

É pleno o sentimento de brasilidade.

Também está presente, a bandeira e o hino, em inúmeras manifestações nas quais o povo, nas ruas, demonstra seu sentimento e capacidade de exercer a cidadania: cobrando direitos, propondo rumos, expondo mazelas do mundo político para as quais exige o cumprimento da lei e a punição dos bandidos disfarçados de representantes do povo.

É digno. É nobre. Nada é mais bonito que um povo espelhando-se em sua bandeira e a empunha para defender o pais, cantando o hino que representa a todos os brasileiros.

Hino e Bandeira que representa TODOS os brasileiros.

Hino e Bandeira que representa todos os BRASILEIROS.

Nosso hino e nossa bandeira, só a nós representam. Representam a nós que somos brasileiros.

Evidentemente outras nações são representadas por outros hinos e outras bandeiras, mas aquela verde, amarela azul e branca a nós representa; aquele tom marcial do “Ouviram, do Ipiranga”… é a nós que representa. Somos nós ali presentes!

E deixemos outros povos que sejam representados por outros hinos e bandeiras.

Mas existem pessoas, em nosso país, que nasceram aqui, vivem aqui… mas que reverenciam OUTRAS BANDEIRAS.

E não são poucas pessoas assim: Traidores da pátria!

Estou me referindo à manifestação do dia 03 de maio de 2020, em frente ao Palácio da Alvorada. Não é um simbolo nacional, mas é o centro político do país.

E nesse dia (3/5/2020) em frente ao Palácio, um grupo se apresentou como TRAIDORES DA PÁTRIA. Claro alguns deles empunhavam a bandeira verde-amarela. Mas não eram essas as cores que defendiam.

Quem viu a cena, na internet ou na TV, deve saber de que estou falando. Alguns dos manifestantes, dizendo apoiar o inominável presidente, empunhavam outras bandeiras. Alguns traidores disfarçavam-se de brasileiros, mas flamejavam bandeiras de outras nações.

Quem viu a cena, na internet ou na TV, deve ter percebido que entre as bandeiras do Brasil, alguns empunhavam a bandeira de Israel e dos Estados Unidos.

Mas o pior é que do lado de dentro do alambrado o presidente inominável se fazia acompanhar por três bandeiras. Um traidor, ao lado dos demais, carregava um estandarte com a bandeira de Israel e, no mesmo mastro, a dos Estados Unidos, ambas fazendo sobra para o presidente. E, carregada por uma criança, quase rastejando, a bandeira do Brasil.

Num ato de traição à pátria, aquele que se faz chamar presidente desfilou serenamente e ostentando um certo orgulho, à sobra da bandeira americana e da estrela de Davi, na bandeira dos judeus.

Que defensores da pátria são esses? Se é que defendem uma pátria não é a nossa verde amarela.

Que presidente é esse? Se fosse presidente do Brasil e, de fato, representasse a nação brasileira, não aceitaria uma bandeira estrangeira lhe fazendo sobra. Nem apresentaria continência à bandeira de outro país, como o fez tempos atrás.

É verdade o que os veículos de comunicação comentaram largamente: Essa foi uma manifestação antidemocrática, pois defendia o fim de dois pilares da democracia (o parlamento e o judiciário); e também atentando contra a constituição, pois instigava rebeldia e desobediência ao preceito da harmonia dos poderes. Mas a principal demonstração ali ocorrida foi uma ostensiva traição à pátria.

O presidente e seus animaizinhos amestrados não agem em defesa e pelos interesses do Brasil. Eles são ratinhos dos interesses dos americanos… e dos banqueiros judeus.

Em nome da democracia respeito e entendo aqueles eleitores que ajudaram a eleger esse presidente. A democracia só existe quando existem ideias e ideais distintos que dialogam e se respeitam. Mas não dá para entender como é que muitos continuam aceitando ser manipulados em defesa de interesses estranhos ao do povo brasileiro. Que continuem a ajudar no processo de instalação da crise.

É inadmissível que pessoas inteligentes e que buscavam alternativas para a moralidade do país, continuem aceitando ser usados ou apoiando iniciativas que estão dividindo o país.

Falam tanto, de forma meio anacrônica, contra o comunismo (saberiam me explicar o que é isso que tanto temem?), mas estão abrindo as pernas para outro demônio que se faz representar por uma bandeira com cores branca, vermelha e azul. Tanto temem o alegado “vermelho comunista”, mas aquele que os domesticou também ostenta o vermelho em sua bandeira.

Já que o presidente e seus “miquinhos amestrados” aceitam caminhar à sobra de uma bandeira estrangeira, vamos recuperar nossa nação e, cantando nosso hino, levantar nossa bandeira verde amarela, símbolo e sinal do povo brasileiro que somos nós. Mesmo com ideias distintas vamos nos unir em defesa do Brasil e do povo que o constrói cotidianamente.

Artigo anteriorTecnologia na gestão da pandemia de Covid-19
Próximo artigoThales seleciona o Google Cloud para expandir sua solução de gerenciamento de eSIM
Neri de Paula Carneiro
Neri de Paula CARNEIRO - Mestre em Educação UFMS (2008); especialista em metodologia do ensino superior, UNESC-RO (2002); licenciado em história pela Universidade Federal de Rondônia (1999); bacharel em Teologia pela Instituto Teológico de Santa Catarina (1989) graduado em Filosofia - Seminário Arquidiocesano Instituto Paulo VI - Londrina (PR) (1984). Professor concursado do Estado de Rondônia. Tem experiência no magistério desde 1992, como professor de ensino médio e superior, atuando nas áreas de Filosofia, História e Educação. Atua como colunista semanal em jornais regionais. Produtor e apresentador de programa radiofônico. Desenvolve atividades voluntárias ligadas à Igreja Católica, em Rolim de Moura-RO.