Apesar de favorecer o consumo, o tempo quente e seco aumentou a proliferação de pulgão nas roças de alface – o que há muito tempo não acontecia –, porém, a infestação foi contornada e não causou grandes impactos na oferta.

Além disso, dificuldades de irrigação podem prejudicar a qualidade dos pés e impedir transplantios, reduzindo a disponibilidade a longo prazo.

Por outro lado, devido à aceleração do ciclo pelas altas temperaturas, o volume colhido nesta semana pode ser maior, refletindo a concentração da oferta.

Produtores também se mostram receosos quanto a aumentar o plantio por causa das dificuldades em relação à instabilidade no consumo e pedidos abaixo do esperado.

Quanto aos preços, nos últimos dias, os valores das alfaces comercializadas em Mogi das Cruzes (SP) registraram leve queda, devido à baixa procura relacionada ao período de fim de mês.

Entre 24 e 28 de setembro, a variedade crespa teve média de R$ 13,06/cx com 20 unidades, 4,28% inferior à da semana anterior. Fonte: Cepea