A temperatura no norte da Antártica atingiu quase 65 graus (18,3 graus Celsius), um provável recorde de calor no continente mais conhecido por neve, gelo e pinguins.

A leitura foi realizada quinta-feira em uma base de pesquisa argentina e ainda precisa ser verificada pela Organização Meteorológica Mundial.

“Tudo o que vimos até agora indica um provável registro legítimo”, afirmou Randall Cerveny, que pesquisa registros para a organização, em comunicado. Ele acrescentou que está aguardando a confirmação de dados completos.

A base de pesquisa, chamada Esperanza, fica em uma península que se projeta em direção ao extremo sul da América do Sul. A península aqueceu significativamente nos últimos meio século – quase 5,4 graus (3 ° C), de acordo com a Organização Meteorológica Mundial.

Cerveny disse que a temperatura incomumente alta provavelmente se deve, a curto prazo, a um rápido aquecimento do ar que desce da encosta de uma montanha.

O recorde anterior de 63,5 graus (17,5 C) foi estabelecido em março de 2015.

As mudanças climáticas estão esquentando a Antártica e o Ártico – as regiões polares da Terra – mais rapidamente do que outras regiões do planeta.

O Ártico está aquecendo mais que o dobro da velocidade do resto do mundo, de acordo com um relatório anual publicado em dezembro pela Administração Nacional Oceânica e Atmosférica. Não há relatório anual semelhante para a Antártica.