Avalanches subaquáticas prendem microplásticos no fundo do oceano

fundo do oceano
fundo do oceano / foto: pexels

Um projeto de colaboração entre as Universidades de Manchester, Utrecht e Durham e o Centro Nacional de Oceanografia revelou pela primeira vez como avalanches de sedimentos submarinos podem transportar microplásticos da terra para o oceano.

O estudo também revelou que esses fluxos, os maiores do mundo, são responsáveis ​​pela classificação de diferentes tipos de microplásticos – enterrando alguns e movendo outros a grandes distâncias através do fundo do mar.

Essas descobertas podem ajudar a prever a localização de futuros microplásticos no fundo do mar, que por sua vez podem ajudar a direcionar a pesquisa sobre o impacto dos microplásticos na vida marinha.

Mais de 10 milhões de toneladas de poluição plástica são exportadas para os oceanos a cada ano. Pensa-se que cerca de 99% disso seja armazenado no fundo do mar, geralmente acumulando-se preferencialmente em gargantas submarinas.

No entanto, anteriormente não se sabia como a poluição plástica chegava ao mar a partir da terra. A nova pesquisa mostrou que os microplásticos podem ser movidos por fluxos de sedimentos acionados pela gravidade, que podem percorrer milhares de quilômetros sobre o fundo do mar.

A areia de quartzo foi misturada com fragmentos e fibras microplásticos e liberada em um tanque de calha projetado para simular fluxos do mundo real. O pesquisador da Universidade de Manchester, Dr. Ian Kane, desenvolveu técnicas para analisar os sedimentos transportados nesses fluxos e depositados no fundo do mar, e as amostras foram analisadas nos Laboratórios de Geografia da Universidade de Manchester.

As concentrações de fragmentos microplásticos foram concentradas nas partes inferiores do fluxo, enquanto as fibras microplásticas foram distribuídas ao longo do fluxo e assentadas mais lentamente.

Pensa-se que a maior relação superfície / volume das fibras seja a razão pela qual elas são distribuídas de maneira mais uniforme. Pensa-se que a alta concentração de fibras microplásticas nas camadas de areia na base do fluxo seja porque elas ficam mais facilmente presas pelas partículas de areia.

O Dr. Ian Kane disse: “Isso contrasta com o que vimos nos rios, onde as inundações liberam microplásticos; a alta carga de sedimentos nessas correntes oceânicas profundas faz com que as fibras fiquem presas no fundo do mar, à medida que os sedimentos se separam dos fluxos”.

Estudar a distribuição de diferentes tipos de plástico no fundo do mar é importante porque o tamanho e o tipo de partícula plástica determinam como as toxinas acumulam a superfície, bem como a probabilidade de que o plástico entre no intestino de qualquer animal que o coma, e que animal pode comê-lo.

Essas experiências mostram que os fluxos de sedimentos têm o potencial de transportar grandes quantidades de poluição plástica dos ambientes costeiros para o fundo do mar, onde podem impactar os ecossistemas locais.

Os próximos passos da pesquisa envolverão amostragem e monitoramento do cânion submarino do fundo do mar, para entender quão robustos esses achados experimentais podem ser aplicados aos sistemas naturais e os efeitos nos ecossistemas do fundo do mar.