O prefeito eleito de Cabo Frio, José Bonifácio, garantiu que vai concluir, ao longo do seu governo, as obras necessárias para que a Praia do Peró mantenha por muitos anos a Bandeira Azul, selo internacional de qualidade. Previsto para esta sexta-feira, o hasteamento da bandeira foi cancelado pela Prefeitura de Cabo Frio. O hasteamento só vai ocorrer, até o dia 20 e sem cerimônia para evitar aglomeração, após o término das obras da Prolagos no calçadão da orla da Praia do Peró.

Embora a cerimônia de hasteamento tenha sido cancelada, a homologação da Bandeira Azul está garantida. Pela primeira vez, a certificação vale para 12 meses (temporada plena).

—  Tenho todo o compromisso de consolidar a Bandeira Azul no Peró. Vamos executar as obras que garantam a marca permanente desta importante certificação na praia. A nossa Secretaria de Turismo terá um setor responsável por toda a nossa orla – garantiu José Bonifácio.

A experiência do Peró com o programa Bandeira Azul será apresentada dia 15, em Búzios, durante a abertura do 3º Congresso Empresarial de Turismo do Estado do Rio. Na ocasião, será lançada a nova marca Peró. O Secretário estadual de Turismo, Gustavo Tutuca, aplaudiu a renovação da Bandeira Azul no Peró:

— Com a Bandeira Azul, o Peró se destaca como sendo a referência de turismo de litoral em nosso estado e no Brasil. É uma maneira de alavancar o turismo fluminense. Esta conquista merece uma celebração e os parabéns à Prefeitura de Cabo Frio e também a comunidade, em especial a do Peró – disse o secretário.

Presidente do Conselho de Desenvolvimento do Turismo da Costa do Sol (Condetur), Marco Navega defendeu maior apoio do governo estadual aos municípios para que outras cidades conquistem o selo internacional, desde que suas praias atendam aos requisitos principais do programa, como a qualidade da água, acessibilidade, segurança e serviços:

— O programa Bandeira Azul é fantástico. Precisa ser levado não apenas ao Peró como também a outras praias do Estado do Rio. É um exemplo que o governo estadual deveria ajudar. O projeto deveria ser uma política de estado – defendeu Navega.

Paulo Roberto Araújo fez sua carreira profissional no jornal O Globo. Prêmio CREA de Meio Ambiente, foi repórter e depois editor assistente (chefe de reportagem) da Editoria Rio durante 25 anos, com atuação voltada principalmente para o meio ambiente e o interior do Rio.