Hoje em dia, infelizmente, não há grande preocupação sobre a relação entre carros e sustentabilidade. Muitos motoristas simplesmente compram os veículos que mais interessam a eles, sem buscar o equilíbrio entre esses dois fatores. No entanto, essa é uma tendência em alteração, com cada vez mais pessoas pensando no impacto ambiental dos automóveis antes de fazer a compra.

Não é por menos: os carros estão entre os elementos mais poluentes atualmente, especialmente pela grande quantidade. Só no Brasil são mais de 100 milhões de automóveis de todos os tipos, de carros de passeio a caminhões e motos. Não é à toa, portanto, que já existem leis para proibir a venda de veículos a combustão nos próximos anos.

Quer entender melhor a relação entre carros e sustentabilidade? Então siga a leitura do artigo abaixo com atenção!

3 fatores que alteram o equilíbrio entre carros e sustentabilidade

1. Combustível

O principal fator envolvendo a relação entre carros e sustentabilidade é, claro, o uso de combustíveis para fazer com que os automóveis possam se mover. Esse é, aliás, um dos pontos de mais atenção na pauta ambientalista no momento.

No geral, os veículos atuais no mercado funcionam com 3 opções de combustíveis: a gasolina, o etanol e o GNV (Gás Natural Veicular). Isso, claro, falando sobre o Brasil e sobre automóveis de passeio, já que outros tipos de veículos têm diferentes combustíveis.

O problema desses três tipos de combustíveis é que eles são poluentes, ainda que em níveis diferentes. Ou seja: os carros precisam queimá-los para produzir energia e andar, o que faz com que certos gases sejam despejados na atmosfera após esse processo, resultando em um aumento do efeito estufa, alteração na temperatura da Terra e todos os efeitos ruins da mudança climática.

É por isso que há tanta pressão para que as montadoras e fabricantes de automóveis adotem, no mínimo, os modelos híbridos (com motores a combustão e elétricos) ou totalmente eletrificados.

O principal benefício de um motor elétrico para o carro é que ele não conta com o despejo de gases nocivos para a atmosfera ao seu usado. Portanto, são menos poluentes e mais sustentáveis.

Isso, claro, não significa que não existem problemas nos veículos elétricos, mas eles são mais sustentáveis do que os a combustão, especialmente porque são carregados com energia elétrica. É claro que, em muitos países, a energia elétrica é produzida com base em queima de carvão e outros elementos, mas aqui no Brasil a maior parte da energia elétrica é produzida por meios renováveis, o que aumenta a sustentabilidade.

2. Peso

Outro fator importante na relação entre carros e sustentabilidade é o peso dos automóveis. Isso por causa de vários fatores, sendo o principal deles a eficiência energética do veículo.

Um exemplo simples consegue fazer com que entendamos essa relação sem dificuldades: o que é mais fácil de mover, um carro de 5 toneladas ou um de 2,5 toneladas? A física básica nos diz que é mais fácil mover um veículo mais leve, pois é necessário menos força para isso.

No setor automotivo, força é igual a energia e energia é igual a combustível. Ou seja: mais força significa mais combustível queimado. Se esse combustível for a gasolina, por exemplo, são mais gases jogados na atmosfera.

Por isso, muitas montadoras têm tentado reduzir ao máximo o peso dos seus carros. Isso traz maior eficiência energética, o que é positivo para o motorista que paga menos em combustíveis, mas também (e principalmente) para o meio ambiente.

É claro que só essa estratégia não basta. Ela precisa vir acompanhada de várias mudanças, sendo o uso de combustíveis não-renováveis o principal deles. Afinal, veículos mais leves são mais eficientes com a eletricidade também, o que acelera a adoção de carros elétricos.

3. Descartes

Por fim, é importante lembrar que todos os carros têm descartes. Em muitos casos, o próprio automóvel é descartado quando o dono compra um novo. Por isso, é vital que as empresas envolvidas no setor tenham estratégias de coletas de resíduos e materiais de automóveis para reciclagem e reaproveitamento, reduzindo os danos ambientais desses descartes.

É claro que nem tudo pode ser aproveitado, mas é vital tentar reaproveitar ao máximo para reduzir bastante a pegada ambiental do setor automotivo. Muitas peças são sim recicláveis, mas atualmente existem muitos estudos para aumentar a eficiência desses processos e aumentar a gama de partes do veículo que podem ser reaproveitadas.

Pronto! Agora que você viu a importância do equilíbrio entre carros e sustentabilidade nas cidades, pode entender porque certas ações vêm sendo tomadas em termos de políticas públicas. A tendência é que, no futuro próximo, vejamos menos automóveis nas ruas, mais transportes públicos e mais bicicletas e outros meios de transporte individual não-poluentes, além, claro, dos veículos elétricos dominando o mercado.

E aí, o que achou do conteúdo? Deixe sua opinião abaixo sobre o foco da relação entre carros e sustentabilidade!