China tem o maior crescimento em exportações de Serviços de TIC, Brasil é destaque sul-americano

Exportações Mundiais de Serviços de TIC
Exportações Mundiais de Serviços de TIC

A China é o país que mais cresce em número de exportações mundiais de serviços de Tecnologia da Informação e Comunicação (TIC),  com um volume de crescimento de 349% em 10 anos.

A informação faz parte do primeiro estudo “Insight Report” realizado neste ano pela Assespro-Paraná em parceria com o Departamento de Economia da Universidade Federal do Paraná (UFPR), que analisou dados divulgados pela Organização Mundial do Comércio (OMC) entre os anos 2010 e 2018.

No período, as exportações mundiais de serviços de TIC tiveram um crescimento de 83%. O Brasil também apresentou uma taxa de crescimento elevada, de 310%, superando em cerca de quatro vezes a média mundial.

Levando em consideração apenas os dados de 2018, o mercado global de serviços de TIC alcançou a cifra aproximada de 606 bilhões de dólares. Desse montante, 78% corresponderam a serviços de computação, 16% de telecomunicações e 6% de informação. Nesse ano, a Irlanda liderou a participação em exportações, com uma fatia de 17% do mercado. A Índia ficou em segundo, com 10%, seguida da China, com 8%.

O estudo da Assespro-Paraná mostra ainda que, entre os países da América do Sul em 2018, o Brasil conquistou 43% de participação do mercado de exportação, o que representa cerca de 2 bilhões de dólares. Em segundo lugar ficou a Argentina, com 33% do mercado.

“Já se levarmos em conta os países da porção meridional da América, a participação é bastante modesta, com apenas 1% do total das exportações mundiais”, comenta Victor Manoel Pelaez, professor do Departamento de Economia da UFPR que está à frente dos Insights Reports produzidos pela Assespro-PR.

Quando o assunto é importação, em 2018 os Estados Unidos dominaram o mercado no setor de TIC, com a participação de 7% no total mundial. A Alemanha aparece em segundo com 6%, seguida da China com 4%.

Os países da América do Sul tiveram pouca representatividade também na importação em relação ao mercado mundial, com apenas 1% do total. Desse 1%, o Brasil teve uma parcela de 59%. A Argentina ficou em segundo lugar com 16%, seguida da Colômbia com 10%.

Entre 2010 e 2018, a China foi o país que apresentou uma taxa de crescimento maior entre os principais importadores de serviços de TIC. A taxa de crescimento chinesa foi de 479%, cerca de seis vezes superior a da média mundial, que foi de 83%. Já o Brasil ficou abaixo da média, com uma taxa de 20% de crescimento das importações.