Cientistas da Universidade de Amsterdã alertam que os problemas com cianobactérias tóxicas provavelmente aumentarão no futuro. Segundo os cientistas, uma cianobactéria comum se adapta facilmente ao aumento das concentrações de CO 2. Essa cianobactéria tóxica pode aumentar sua taxa de captação de CO 2 em um fator de cinco em altas concentrações de CO 2 , a resposta mais forte registrada até agora em qualquer alga.

Todo verão, a qualidade da água dos lagos e lagoas é ameaçada pelo crescimento de cianobactérias, também conhecidas como algas verde-azuladas. As cianobactérias podem produzir uma variedade de toxinas que são prejudiciais aos seres humanos, outros mamíferos e aves. Nos seres humanos, essas toxinas podem causar náusea, tontura e danos no fígado. O intenso crescimento de cianobactérias aumenta a quantidade de toxinas na água, o que pode afetar negativamente o uso de lagos para recreação, água potável ou pesca. O crescimento de cianobactérias já afeta a qualidade da água em todo o mundo, por exemplo, no Lago Erie (EUA), Lago Taihu (China), Lago Victoria (África) e em muitos lagos europeus.

Fertilizando a água em todo o mundo com CO 2

CO 2 é um nutriente essencial para o crescimento de algas. Assim como as plantas, as algas adquirem CO 2 através da fotossíntese. A crescente concentração de CO 2 na atmosfera também aumenta as concentrações de CO 2 nas águas superficiais. Ecologista Jolanda Verspagen: “Estamos fertilizando as águas com CO 2 em escala global. Isso é benéfico para muitas algas, incluindo espécies tóxicas”.

O novo estudo, liderado por cientistas da Universidade de Amsterdã, mostra que uma das cianobactérias tóxicas mais comuns, Microcystis, pode se adaptar excepcionalmente bem a altas concentrações de CO 2. A cianobactéria foi cultivada em baixas e altas concentrações de CO 2. A taxa de captação de CO 2 de Microcystis foi subsequentemente medida com um instrumento de laboratório avançado, conhecido como Espectrômetro de Massa de Entrada de Membrana (MIMS), que pode detectar alterações muito pequenas no CO 2 em resposta à fotossíntese das algas. “Esta cianobactéria específica é capaz de crescer mais rapidamente, porque pode aumentar sua taxa de captação de CO 2 em um fator 5, com alta CO 2″, explica o estudante de doutorado Jason Ji.” Até onde sabemos, essa é a resposta mais forte de CO 2 já registrada! Outras algas não-tóxicas, como as verdes e as diatomáceas, podem se adaptar menos bem, e algumas até crescem mais lentamente em altas concentrações de CO 2.”

A capacidade das cianobactérias tóxicas de crescer mais rapidamente em altas concentrações de CO 2 tem consequências de longo alcance para a qualidade da água. As previsões de modelos pela equipe de pesquisa mostram que a capacidade excepcional de adaptação aumentará ainda mais o crescimento de cianobactérias em concentrações elevadas de CO 2, particularmente em águas ricas em nutrientes.