CFOs
CFOs

Diretores financeiros anunciam compromissos que começam com US$ 500 bilhões

Dezenas de Diretores Financeiros (CFOs), que representam cerca de US$ 1,7 trilhão em capitalização de mercado, anunciaram hoje um compromisso de investimento coletivo de mais de US$ 500 bilhões em busca dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS) – em parceria com o Pacto Global da ONU, em uma iniciativa que busca também a participação de outras centenas de empresas na adoção de estratégias e compromissos semelhantes. A iniciativa é dividida em 5 frentes, duas delas comandadas por brasileiros: João Dantas, do BTG Pactual, e Marcelo Bacci, da Suzano. Além deles, Fernando Tennenbaum, da Ambev, Marcos Paulo Conde Ivo, da Klabin, Pedro Freitas, da Braskem, e Pedro Christ, do Grupo CCRR, também já se comprometeram com a ação.

Um grupo de CFOs de 60 empresas atualmente faz parte da Força-Tarefa de CFOs do Pacto Global da ONU, que já se comprometeu a investir mais de US﹩ 500 bilhões nos próximos cinco anos para os ODS, para um trabalho coletivo tanto dentro das suas próprias organizações para promover uma maior integração dos ODS nas empresas, quanto fora na busca para a captação de novos parceiros para a iniciativa.

A Rede Brasil do Pacto Global da ONU já se comprometeu a alcançar, ao menos, 10% dessa meta. Para isso, conta com os mais de 1,3mil signatários, que a fazem a terceira maior rede local do mundo.

“O setor privado brasileiro já entendeu o quanto é importante ter os ODS dentro das suas estratégias de negócio. E a iniciativa da Força-Tarefa de CFOs do Pacto Global da ONU é mais uma fundamental para que consigamos alcançar os nossos objetivos para o planeta. E para isso contamos com o engajamento de todas e todos nesse momento. Os CFOs são uma liderança bem importante dentro dessa agenda e estamos muito animados em ter esse grupo ao nosso lado”, afirmou Carlo Pereira, diretor-executivo da Rede Brasil do Pacto Global da ONU.

A Força-Tarefa de CFOs também se comprometeu a vincular cerca de 50% de todo o financiamento corporativo das suas empresas ao desempenho de sustentabilidade, com planos de emitir centenas de bilhões em novos instrumentos financeiros sustentáveis, incluindo obrigações vinculadas à sustentabilidade. É provável que esses compromissos financeiros iniciais aumentem ainda mais, já que a iniciativa está recrutando entre os milhares de signatários do Pacto Global da ONU novos integrantes em busca de aumentar radicalmente a quantidade de investimento corporativo alinhado às metas e resultados de sustentabilidade.

Se for bem-sucedido, esse movimento global de CFOs e suas corporações pode potencialmente mobilizar trilhões de dólares de investimento anualmente em apoio aos ODS – em áreas como como infraestrutura sustentável; energia renovável; água; saúde; alimentação e agricultura; equidade de gênero e étnico-racial; e trabalho decente.

“Com esse compromisso, estabelecemos um marco necessário em uma jornada que começou em dezembro de 2019, quando um pequeno grupo de CFOs começou a trabalhar juntos com uma visão de impulsionar a integração de sustentabilidade dentro das operações de negócios”, afirmou Alberto De Paoli, CFO da Enel e copresidente da Força-Tarefa CFO, durante o evento. “Agora, nosso objetivo é aumentar a conscientização ainda mais e ajudar a criar o ambiente necessário para atrair mais capital para o desenvolvimento sustentável”.

“Os impactos e riscos apresentados pela pandemia reforçam a necessidade de alinhar ainda mais as finanças globais a serem mais sustentáveis e inclusivas para cumprirmos a Agenda 2030. Com os nossos esforços para recrutar mais signatários do Pacto Global da ONU para a nossa Força-Tarefa de CFO, acreditamos que podemos alavancar trilhões de dólares de finanças corporativas para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável”, afirmou Sanda Ojiambo, CEO e Diretora-Executiva do Pacto Global da ONU.

Como a pandemia Covid-19 continua impactando as sociedades e economias, o progresso em direção aos ODSs está em perigo de desacelerar – e até mesmo se reverter, com a expectativa de que a pobreza aumente pela primeira vez em mais de 20 anos. Mesmo antes da pandemia, a ONU estimou que o mundo precisaria gastar entre US﹩ 3 trilhões e US﹩ 5 trilhões anuais para atender aos ODS até 2030. A pandemia aumentou o chamado “ODS Financing Gap”, talvez adicionando a necessidade de mais US$ 2 trilhões anuais a esse montante, de acordo com algumas estimativas.

Globalmente, o Banco Mundial estima que as empresas gastam cerca de US$ 17,5 trilhões anualmente em investimentos corporativos, sendo a metade direcionada para mercados emergentes. O objetivo da Força-Tarefa de CFOs do Pacto Global é aumentar radicalmente a quantidade de investimento corporativo alinhado a objetivos e resultados de sustentabilidade, ao mesmo tempo em que cria um mercado global dominante com instrumentos financeiros sustentáveis, incluindo ODS Bonds.

Para impulsionar o compromisso de bilhões de dólares (potencialmente trilhões) de investimentos corporativas para os ODS, a Força-Tarefa de CFOs do Pacto Global da ONU criou uma gestão abrangente e governança estrutura, Princípios do CFO para investimentos e finanças integrados aos ODS.

Nessa estrutura, as empresas são incentivadas a criar sua tese de impacto exclusiva e definir seus próprios KPIs e metas para rastrear o desempenho nos ODS mais relevantes para seus negócios. Até agora, 71% das empresas na Força-Tarefa deram esse passo em apoio aos Princípios do CFO, que cobre a tese de impacto dos ODS e medição; estratégia e investimentos ODS; finanças ODS corporativas e comunicações ODS. Dessas mesmas empresas, 61% divulgam publicamente os seus KPIs e metas de ODS, enquanto 59% integram os ODS em suas comunicações com investidores e 55% publicam um relatório integrado com o tema.