Tonny Martins, Gerente Geral IBM América Latina
Tonny Martins, Gerente Geral IBM América Latina

Por Tonny Martins, Gerente Geral IBM América Latina

De acordo com um estudo da Organização Meteorológica Mundial¹, a América Latina é projetada como uma das regiões do mundo onde os efeitos e impactos das mudanças climáticas, como ondas de calor, diminuição da produtividade agrícola, incêndios florestais, esgotamento de recifes de coral e os níveis extremos do mar, serão mais intensos. À medida que esses impactos se tornam mais frequentes e pronunciados, os cientistas e inovadores estão na vanguarda da busca de soluções para ajudá-los com seus objetivos de mitigação e adaptação, e os líderes empresariais estão se tornando mais conscientes de seu papel conforme as empresas se tornam uma parte importante dessa equação.

Esses desafios não podem ser resolvidos com métodos desatualizados. Precisamos trabalhar juntos para acelerar o progresso científico usando novas metodologias e tecnologias como IA, robótica, computação quântica, computação de alto desempenho (HPC) e uma abordagem de nuvem híbrida. A mudança climática é uma preocupação séria que requer ação oportuna e significativa em nível global, portanto, promover a colaboração e aproveitar a criatividade de todo o ecossistema de inovação global é fundamental.

Para ajudar organizações e governos a lidar com as mudanças climáticas, a IBM promove três abordagens principais para fazer a diferença no futuro:

• Promover a colaboração em todo o ecossistema: promover a colaboração é essencial, nos comprometendo com projetos que reúnam um ecossistema ampliado de universidades, startups, centros de pesquisa e nossos clientes na América Latina para criar novas soluções que melhorem a qualidade de vida de todas as pessoas. Recentemente foi inaugurado o Centro de Pesquisa em Inteligência Artificial do Brasil, parceria entre IBM, Universidade de São Paulo (USP) e Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP), apresentando avanços nos trabalhos acadêmicos e pesquisas de ponta em IA para resolver problemas de grande impacto social e econômico. Um dos projetos que está sendo desenvolvido é um agente virtual que dominará todo o conhecimento existente sobre a Amazônia Azul, uma vasta região do Oceano Atlântico na costa brasileira, rica em biodiversidade e recursos energéticos. É o primeiro conjunto de dados de perguntas e respostas em grande escala em português e inglês que visa fornecer informações sobre o ecossistema marinho.

• Fortalecer a inovação de diferentes pontos de vista: equipes diversas veem o mesmo tópico de diferentes perspectivas, têm uma melhor compreensão do propósito e se adaptam às mudanças com mais facilidade. Isso estimula a criatividade e a inovação, abrindo o leque para novas soluções possíveis. Esta é uma das razões pelas quais desenvolvedores, cientistas de dados, profissionais de UX, professores, estudantes, especialistas em meio ambiente e mudanças climáticas, indústrias e políticas públicas são pessoas-chave a serem incluídas nas equipes de cocriação. Hoje, vemos diversas equipes colaborando por meio de iniciativas como a Call for Code, buscando as melhores ideias e aplicativos de código aberto para ajudar a lidar com os efeitos das mudanças climáticas. Por exemplo, um dos finalistas regionais de Call for Code na América Latina, a SpecWater, desenvolveu uma solução que analisa o espectro de luz dentro de uma amostra de água coletada por um dispositivo IoT para ajudar a monitorar a qualidade da água.

• Tecnologia em ação, IA e nuvem híbrida para criar um futuro seguro e sustentável: os desafios de hoje exigem uma abordagem holística que permita às empresas gerenciar melhor os relatórios e a conformidade ambiental, gerenciar seus negócios com mais eficiência para reduzir o consumo e planejar o impacto climático em suas estratégias de longo prazo. Recentemente, anunciamos o IBM Environmental Intelligence Suite, um conjunto de software que combina novas inovações de IA e automação desenvolvidas pela IBM Research, com nossas tecnologias de análise de dados meteorológicos e geoespaciais, para ajudar as organizações a se preparar e responder aos riscos meteorológicos e climáticos, incluindo como prever e se adaptar a condições climáticas adversas, bem como recursos de contabilidade de carbono para ajudá-los a quantificar com precisão sua pegada de carbono, enquanto avaliam melhor seu próprio impacto no meio ambiente. Por exemplo, isso poderia ajudar os varejistas a usar a análise de risco climático para proteger locais de armazenamento no futuro, ou empresas de energia e serviços públicos que poderiam prever onde fortalecer a infraestrutura crítica para evitar o colapso.

As mudanças climáticas são uma realidade e é preciso trabalhar de forma coordenada para aproveitar todas as inovações disponíveis no ecossistema para ajudar a resolver os desafios mais urgentes que temos como sociedade. A América Latina tem o talento e a tecnologia para desenvolver soluções hoje que beneficiam nosso presente e futuro, e as empresas precisam fazer dessa discussão uma prioridade e tomar medidas reais para se comprometer com a mudança.

¹ Report on the State of the Climate in Latin America and the Caribbean 2020