Método de ensino traz desafios para alunos, professores e coordenadores; especialista dá dicas de como lidar com as ferramentas tecnológicas e melhorar a performance nas aulas à distância

A pandemia de coronavírus trouxe mudanças significativas para os mais diversos aspectos da vida cotidiana. Um desses aspectos é a educação superior, que por causa da impossibilidade das aulas presenciais tem visto o aumento da popularidade de aulas por videoconferência. Um dos fatores desse fenômeno foi a publicação da Portaria nº 348 do Ministério da Educação (MEC), que autorizou a substituição das aulas presenciais por modelos à distância.

E o EaD, na verdade, já vinha apresentando crescimento há alguns anos. Segundo o Censo 2018 da Educação Superior, divulgado pelo Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), o número de matrículas EaD foi maior do que a presencial. O relatório mostrou que foram preenchidas 7,1 milhões de vagas de EaD contra 6,3 milhões de vagas por ensino presencial.

Poliana Landin, coordenadora do IPOG, um instituto de ensino de pós-graduação e graduação, pontua que a tecnologia tem sido essencial para que as aulas continuem acontecendo. Ela explica que todas as adaptações foram feitas levando em consideração o curso, as turmas e calendário.

“Nós investimos na preparação dos professores, em relação a metodologia do Zoom e do sistema IPOG, que são as plataformas que utilizamos. Os alunos receberam um comunicado por escrito e outro por vídeo explicando o passo a passo de como usar a ferramenta”, comenta.

Poliana diz que além da capacitação, um suporte diferenciado está sendo oferecido pela instituição. Em cada sala virtual há um profissional disponível para dar assistência caso alguém não consiga ligar a câmera, tirar o microfone do mudo ou saiu da sala e não consegue retornar, por exemplo.  As videoconferências possuem, ainda, moderadores que gerenciam a entrada dos alunos, tudo para garantir que somente pessoas que estão matriculadas nos cursos tenham acesso.

A coordenadora afirma que a interatividade dos alunos tem sido bastante satisfatória nesse ambiente virtual. Ela explica que a tecnologia tem proporcionado, inclusive, novidades em relação a aula presencial.

“Por causa do acesso de todos no computador, nós temos professores de neuropsicologia que conseguiram apresentar melhor programas e sistemas que nós utilizamos na reabilitação neuropsicológica, por exemplo. Além disso, tivemos aulas com participações internacionais, de pessoas que são referências em algumas áreas e puderam falar de experiencias e conteúdo. Isso tem enriquecido muito a formação dos alunos”, finaliza.

Sylvia Bellio, especialista em infraestrutura de TI e CEO da it.line, empresa eleita por quatro vezes consecutivas a maior revendedora da Dell Technologies no Brasil, pontua que apesar de não serem novidades, webcams, microfones e plataformas de videoconferência estão sendo mais usadas do que nunca.

“Essas ferramentas estão revolucionando a forma com que desempenhamos várias atividades, inclusive a educação. Esse momento talvez seja um ponto de virada para muitos setores da sociedade, que estão percebendo que se a tecnologia for bem usada, ela pode trazer resultados bastante expressivos”, comenta.

Tecnologias para alunos e professores

Sylvia Bellio pontua que para performar bem no EaD, existem diversas tecnologias à disposição de professores e alunos. Ela explica que muitas das ferramentas são gratuitas e, por isso, nem demandam investimentos financeiros.

A especialista elenca as principais ferramenta que podem ser utilizadas por professores e aluno no ensino à distância e quais pontos devem receber uma atenção específica nesse quesito:

– AVA: o Ambiente Virtual de Aprendizagem (AVA) são softwares específicos de EaD. Eles ajudam no gerenciamento de aulas e possuem várias ferramentas como controle de presença e progresso dos alunos. Essa tecnologia tem ganhado notoriedade nos últimos anos e deve aumentar ainda mais o escopo por causa da pandemia. Com uma interface intuitiva, as AVAs podem ser tornar em verdadeiras salas de aula virtuais, com conteúdo, interatividade, plantão de dúvidas e mais;

– Armazenamento na nuvem: além das lives, ou transmissões ao vivo, o material da aula pode ser digitalizado e armazenado na chamada “nuvem”. A tecnologia é importante porque não ocupa o espaço físico dos computadores e pode ser acessada por professores e alunos a qualquer momento. Atualmente vários serviços oferecem esse armazenamento, sendo muitas vezes gratuito. O cuidado, porém, deve ser em relação a senha de acesso a esses canais e o compartilhamento correto;

– Softwares de segurança: além dos programas de ensino, é preciso lembrar que qualquer ambiente de conexão oferece riscos. Por isso, é importante que alunos e professores tenham aplicações de segurança em seus computadores, como antivírus, firewall e antispyware. Essas soluções evitam vazamentos de conteúdos e dados pessoais e propagação de arquivos nocivos;

– VPN: a VPN (Rede Privada Virtual, em português) tem por objetivo integrar dispositivos remotos às redes corporativas da forma mais segura possível. Essa ferramenta é utilizada para interligar duas ou mais plataformas (celulares ou computadores) entre si. Essa rede privada é importante para a segurança, apesar de ser uma ferramenta cujo uso pode ser debatido, já que ela não é preponderante para a EaD;

– Programas de texto: essenciais para vários profissionais que trabalham com escrita, os programas de texto podem se tornar verdadeiros “cadernos virtuais” para quem está fazendo aula em EaD. Além das anotações, essas aplicações possuem benefícios como procura por determinada palavra, mudança no layout, contagem de caracteres e revisão de ortografia;

– Capacidade de internet: alunos e professores precisam ficar atentos a uma questão que pode passar despercebida que é a banda da internet. Esse conceito se resume na capacidade total de dados que podem ser consumidos por um assinante de internet banda larga. Por isso, já que as bandas normalmente não são ilimitadas, é necessário se informar sobre a quantidade de dados que podem ser baixados mensalmente e, também qual a velocidade de transmissão desses dados que a operadora fornece;

– Microfones e fones: os microfones e fones de ouvido, que eram itens praticamente supérfluos para quem não trabalhava com vídeos on-line, acabaram virando essenciais. É possível prestar atenção em quais equipamentos estão sendo utilizados porque eles interferem na parte técnica da comunicação. Microfones ruins podem apresentar problemas no equalizador, que gerencia a altura do volume da voz. No caso dos fones, é preciso ficar atento a qualidade e realizar testes para ver se eles não apresentam chiados, o que pode acabar interferindo no entendimento sobre o que está sendo dito pelos colegas de classe ou professor;

– Webcams: na última década, a venda de notebooks cresceu bastante no Brasil. Já que a grande maioria desses equipamentos possui uma webcam embutida, a compra de outra câmera ficou um pouco obsoleta. Contudo, nesse momento em que é preciso utilizar mais essa ferramenta é necessário ficar atento a qualidade da imagem. As câmeras que são embutidas no computador possuem, geralmente, qualidade inferior às externas. Por isso é essencial procurar as especificações para verificar se a qualidade da imagem é boa o suficiente para o seu uso de aluno ou professor;

– Programas de videoconferência: os programas de videoconferência se tornaram bastante populares nesse cenário de isolamento social. As aplicações são importantes porque realizam vídeo chamadas com centenas de pessoas, possuem opções de chat por texto, realizam compartilhamento de telas (no caso de materiais precisarem ser mostrados para os integrantes da sala), compartilhamento de arquivos, controle de microfones (para selecionar quem pode falar no momento) e mais. Além disso tudo, esses ambientes são seguros. É possível selecionar o acesso dos convidados a partir de senhas ou ainda manter um administrador, que autoriza ou desautoriza a entrada de cada participante;

– Aulas gravadas: além das aulas ao vivo, os alunos podem assistir a aulas gravadas. Apesar da falta de interação, essa é uma possibilidade em casos de horários incompatíveis ou outras urgências. Esses vídeos podem ser armazenados nos sistemas próprios das escolas ou plataformas externas como YouTube, Dailymotion ou até mesmo Google Drive. Os locais servem para armazenar os conteúdos e vídeos, que podem ser consultados várias outras vezes depois. Como é importante em outros quesitos, esses vídeos também podem ser configurados para serem seguros, já que o acesso pode ser limitado por senha;

– Plantões de dúvidas virtuais: para instituições de ensino que não utilizam uma AVA, é possível manter a interatividade através de chats. Esses programas podem servir como plantões de dúvidas principalmente quando um professor não está on-line, por exemplo. Além dos programas de comunicação, é possível utilizar fóruns de discussão para unificar todas as questões e até estimular debates a partir de ferramentas por escrito;

– Gerenciador de tarefas: outro tipo de ferramenta que pode ser utilizado caso a instituição não possua um sistema integrado de EaD é um gerenciador de tarefas. Existem plataformas que possuem indicadores que podem ser compartilhados de fases de desenvolvimento de um trabalho e metas. Podem servir com uma opção interessante para que alunos acompanhem seu desempenho e para que professores verifiquem se prazos estão sendo cumpridos;

“Conhecer a variedade de possibilidades que a tecnologia nos fornece pode tornar uma aula virtual tão agregadora, interativa e divertida quanto a presencial, seja para o aluno ou para o professor”, finaliza Sylvia Bellio.

Sobre Sylvia Bellio

CEO E Co-fundadora da itl.tech – empresa eleita por quatro anos consecutivos o Maior Canal de Vendas Dell Technologies por quatro anos consecutivos.

É autora dos livros “Simplificando TI” e “Impressões Digitais”.

Iniciou a carreira no setor financeiro, atuando como gerente da área administrativa de uma grande Instituição Financeira.

Com mais de 15 anos de experiência no mercado de tecnologia conduz sua equipe de arquitetos de soluções e executivos de negócios para se posicionarem lado a lado com os profissionais de TI na busca de soluções para resolver os desafios de negócios das empresas.

Introduziu no Brasil fabricantes como: DotHill Systems de armazenamento FC; EqualLogic armazenamento iSCSI; Force10 de networking; Compellent de armazenamento FC|ISCI.

Tem papel de destaque no empoderamento feminino dentro do universo da tecnologia.  É a única mulher a compor o conselho das empresas parceiras da Dell no Brasil. Participou de diversas edições do Dell World e Membro do DWEN e participante das últimas edições do Dell Women’s Entrepreneur Network e integrante do Female Force Latam.

Sobre a it.line

No mercado há mais de 15 anos, a itl.tech é uma empresa de tecnologia que oferece serviços de projetos de TI, Arquitetura Digital, Consultoria, Integração, Suporte, Virtualização, Cloud Computing e Segurança.

A empresa foi considerada, por quatro anos consecutivos, o maior canal de vendas da Dell Technologies no Brasil. Além disso, o empreendimento faz parte da elite dos canais Dell, pois é Titanium, degrau mais alto do programa Partner Direct.

Oferece toda linha de produtos Dell EMC através de um modelo de negócios direto com o fabricante e suportado pelos melhores profissionais de pré-vendas, vendas e pós-vendas do segmento.

Atua com base no conceito de ser, realmente, um provedor de soluções, não apenas mais um revendedor de produtos, a itl.tech participa ativamente junto aos projetos de seus clientes, suportando-os da pré-venda à pós-venda, provendo todos os serviços de suporte e assistência técnica que as soluções demandarem.

Os conceitos que resumem a itl.tech são: Tradição, Confiança, Respeito, Credibilidade e Flexibilidade.

Acesse: www.itltech.com.br