Outro dia ocorreu um fato que me chamou atenção.  Fiz um levantamento de uma carteira que eu fiz ainda no ano passado, comecei a analisar números, valores e uma série de estruturas e demais fatores que ocorreram e que realmente me chamara muito a atenção, pois foi uma coisa muito boba que fiz no ano passado e trouxe para mim o melhor resultado de todos os negócios e investimentos que  tive.

E, no mesmo dia em que fiz essa análise, recebi uma mensagem perguntando o que eu achava de determinada previsão para dólar durante os meses de 2020 e 2021, a progressão do moeda nos próximos 12 meses, baseado no “achismo” do criador dessa planilha, como se o dólar fosse uma coisa tão previsível, sólido, programado e equilibrado.

Sobre isso, eu disse duas coisas. A primeira é que trata-se de fake news, até porque todos os índices que apontam, algumas coisas que realmente começam a impactar no dólar durante determinados períodos, como quando as empresas começam a fazer remessas de capital e dividendos para outros países, EUA, onde as empresas estrangeiras que estão no Brasil começam a fazer remessas de capital, divisão de lucros, pagamentos de funcionários, isso é feito em determinados meses e na tabela que meu amigo enviou não tem avaliações ou qualquer critério, tomando como referências pagamentos de dívidas externas, rolamento de dívidas, pagamentos de juros e dividendos, remessas de capitais.

Há determinadas épocas que esse cenário se torna comum, e acaba acontecendo, e então a tabela não leva isso em consideração. Em resumo, é uma versão bastante superficial e leiga, logo não é possível que seja real.

Então eu vou colocar para vocês algumas situações, coisas que estão fervilhando no mercado, como o coronavírus, que está culminando com a explosão do dólar. O salto da moeda já é evidente e vai trazer impactos para diversos setores da economia, mas de certa forma, é algo regionalizado.  Soma-se a isso uma série de fakenews, teorias da conspiração e fechamento de fronteiras, o que já causa pânico. Mesmo assim, não acredito que isso terá um impacto tão gigantesco a ponto de o dólar disparar de R$ 4 para R$ 8, não vejo isso acontecendo.

Mas eu vou contar pra vocês o que aconteceu comigo no ano passado, onde eu tive uma reunião com um cliente e ele me perguntou: ‘poxa Daniel, o dólar está R$ 3.65. Será que não está muito alto? Será que não vai voltar ou aumentar mais ainda?’.  Ano passado, escrevi um artigo citando justamente essa situação, em que o dólar iria passar de R$ 4.40, e foi o que eu disse para ele. Suponhamos que eu tinha R$ 100.000,00 numa poupança no Brasil, eu iria mandar esse valor para os EUA, converter, enviar de volta e fazer um investimento simples, deixar poupança aqui ou lá mesmo. Peguei esse valor e coloquei em alguns fundos simples, nada muito alto. A rentabilidade foi de aproximadamente 8% em 12 meses. Então eu enviei R$ 100.000,00, converti isso e coloquei em três fundos simples que me deram uma rentabilidade média de 8%, logo, em um ano, eu já tinha R$ 108.000,00.

Isso ocorreu porque quando eu comprei esses dólares e mandei para esse fundo simples, transformei o valor inicial em R$ 108.000,00, certo? Errado. Quando eu mandei o dinheiro, eu paguei R$ 3.65 do dólar e hoje o dólar está R$ 5,11. A variação chegou a mais de 30%, quase 40% de rentabilidade em 12 meses. Quando você se pergunta se deve ou não dolarizar o seu patrimônio ou enviar o seu dinheiro para um país onde a economia é um pouco mais sólida, você acha que vai rentabilizar apenas 8% ao ano? Não, você vai ganhar 6% a 8% e também ganha com a variação cambial, que ainda está favorável.

O dólar deve subir um pouco e depois deve chegar num ponto de equilíbrio, acredito que até o final do ano alcançando um valor entre R$ 4.15 e R$ 4.20. Quer dizer que vai chegar nesse valor? Não se algo estranho acontecer. Mas se os ajustes que hoje estão sendo feitos no mercado chegaram a uma boa conclusão, independentemente das reformas que estão sendo consideradas atualmente, como a fiscal, tributária, e previdenciária,  acredito que deve se estabilizar e chegar na casa dos R$ 4.17, que é um nível razoável para o Brasil e para economia continuar crescendo,  com produtos e mercadoria competitivos com o mercado externo, que é importante para que possamos captar dólares.

Reforço que é importante fazer esses investimentos legalmente, de forma correta. Declarem o imposto de renda, não fazer isso corretamente será um enorme transtorno para trazer o dinheiro de volta. Façam direitinho e com certeza terão uma rentabilidade muito boa. Às vezes as pessoas se apegam apenas a rentabilidade nominal e se esquecem da variação. Não precisa ser um valor alto, é possível fazer um bom pé de meia, uma previdência com um investimento dolarizado e continuar trabalhando no Brasil.

*Daniel Toledo é advogado da Toledo e Advogados Associados especializado em direito internacional, consultor de negócios internacionais e palestrante.