Ecossistemas podem entrar em colapso mais rápido que o previsto

Ecossistemas
Ecossistemas / foto: pexels

Novas pesquisas mostraram que grandes ecossistemas, como florestas tropicais e recifes de coral, podem entrar em colapso a uma taxa significativamente mais rápida do que se entendia anteriormente. As descobertas sugerem que ecossistemas do tamanho das florestas da Amazônia podem entrar em colapso em apenas 49 anos e os recifes de coral do Caribe em apenas 15 anos.

É sabido que os ecossistemas podem se transformar rapidamente quando colocados sob estresse. Lagos claros podem ser transformados em águas verdes, os recifes de corais podem ser branqueados e escassamente povoados à medida que as algas desaparecem e as florestas tropicais podem mudar para pastagens nas savanas, pois o desmatamento causa uma mudança na umidade.

Cientistas da Universidade de Southampton, da Escola de Estudos Orientais e Africanos e da Universidade de Bangor estudaram dados sobre as transformações de 40 ambientes naturais na terra e nas águas. Estes variaram em tamanho, desde pequenos lagos até o ecossistema aquático do mar Negro. Esses dados foram compilados a partir de publicações científicas, relatórios institucionais e bancos de dados on-line sobre mudanças de regime e limites.

A equipe descobriu que, embora ecossistemas maiores demorassem mais tempo a desmoronar – devido ao grande tamanho -, a taxa na qual a transformação ocorreu era significativamente mais rápida que o ritmo da mudança para sistemas menores.

As descobertas, publicadas na revista científica Nature Communications, podem ser explicadas pelo fato de ecossistemas maiores serem compostos de mais compartimentos ou subsistemas de espécies e habitats. Essa configuração modular fornece resiliência contra o estresse inicialmente; no entanto, uma vez ultrapassado um certo limite, a mesma modularidade acelera a taxa na qual o ecossistema se desdobra. Isso significa que os ecossistemas que existem há milhares de anos podem entrar em colapso em menos de 50.

John Dearing, professor de Geografia Física da Universidade de Southampton, que liderou a pesquisa, disse: “As mensagens aqui são gritantes. Precisamos nos preparar para mudanças nos ecossistemas do nosso planeta que sejam mais rápidas do que imaginávamos anteriormente”.

Os efeitos reveladores que o professor Dearing e sua equipe destacaram provavelmente são ilustrados pela rápida disseminação de incêndios ocorridos recentemente na Austrália e ampliam as preocupações com os efeitos que os recentes incêndios na floresta amazônica terão sobre sua capacidade de suportar as mudanças climáticas. O professor Dearing concluiu: “Essas descobertas são mais um pedido para interromper o dano atual imposto a nossos ambientes naturais que leva os ecossistemas a seus limites”.