Os eventos mais quentes e secos do El Niño estão tendo um efeito alarmante sobre a biodiversidade na Floresta Amazônica e contribuem ainda mais para um perturbador colapso global de insetos, mostram os cientistas.

Um novo estudo, focado no humilde, mas ecologicamente fundamental, escaravelho, revelou pela primeira vez que secas intensas e incêndios florestais durante o último fenômeno climático El Niño, combinado com distúrbios humanos, levaram ao número de besouros caindo pela metade – com efeitos com duração de pelo menos dois anos.

Embora o El Niño de 2015-16 tenha atraído menos atenção do que os incêndios de desmatamento de 2019, causou uma seca muito significativa e, em combinação com atividades humanas como agricultura e desmatamento, contribuiu para mega-incêndios que queimaram mais de 3 milhões de hectares da Amazônia florestas, incluindo um milhão de hectares em apenas uma região.

Os efeitos de secas e incêndios florestais nas árvores da Amazônia são estudados há décadas, mas os pesquisadores foram menos claros sobre os impactos na fauna e o papel que eles têm no funcionamento do ecossistema.

Os besouros de estrume são essenciais para a disseminação de nutrientes e sementes, e são importantes insetos indicadores usados ​​para medir a saúde geral de um ecossistema.

Uma equipe internacional de cientistas do Reino Unido, Brasil e Nova Zelândia contou mais de 14.000 besouros de 98 espécies em 30 parcelas florestais no estado brasileiro do Pará, na Amazônia, através de várias pesquisas realizadas entre 2010 e 2017. Eles também monitoraram como muito esterco foi removido e quantas sementes foram dispersadas por besouros.

Novas pesquisas mostram que o El Niño contribui para o colapso de insetos na Amazônia
Um pesquisador amostrando besouros de esterco em florestas afetadas pela seca na região do estudo. Crédito: Marizilda Cuppre / RAS Network

Os pesquisadores contaram cerca de 8.000 besouros nas parcelas em 2010. No entanto, em 2016, após o El Niño, os números haviam caído para cerca de 3.700 e em 2017 encontraram apenas 2.600 besouros.

A perturbação humana, por meio de atividades como desmatamento e extração de madeira predatória, aumenta significativamente a inflamabilidade das florestas – já que os incêndios florestais não ocorrem naturalmente na Amazônia.

Todas as florestas pesquisadas viram o número de besouros cair, embora os resultados também mostrem que as florestas que queimaram tinham menos besouros do que as áreas que haviam acabado de sofrer secas.

“Nossa investigação fornece informações importantes sobre como as atividades humanas e os extremos climáticos podem agir juntos e afetar a biodiversidade das florestas tropicais e o funcionamento do ecossistema”, disse o pesquisador principal Dr. Filipe França, do Lancaster Environment Center da Lancaster University, e pesquisador associado da Embrapa Amazônia Oriental no Brasil. .

Ele também disse que “a perda desses besouros trabalhadores pode indicar um problema mais amplo que muitos mamíferos que vivem na floresta também podem ter sucumbido à seca e aos incêndios. Os besouros de esterco dependem do cocô dos mamíferos para nidificar e alimentar, portanto é provável que haja um declínio nos besouros. associados à perda de mamíferos devido à seca e incêndios do El Niño “.

Novas pesquisas mostram que o El Niño contribui para o colapso de insetos na Amazônia
O fogo se espalha por uma floresta não perturbada durante a seca de 2015-16 em El Niño Crédito: Jos Barlow

Pesquisas anteriores mostraram que a presença de mamíferos tem uma grande influência nos besouros de esterco.

A perda de besouros pode indicar que outros animais foram perdidos, mas também suscita preocupações de que a regeneração florestal seja afetada negativamente após eventos extremos de seca e incêndio.

“Encontramos muito menos besouros após o evento El Niño, e os que sobreviveram estavam lutando para espalhar nutrientes e sementes em florestas já afetadas pela seca ou em áreas que também sofreram incêndios”, explicou o professor Rodrigo Fadini. Universidade Federal do Oeste do Pará no Brasil.

Tomados em conjunto, os resultados da pesquisa sugerem que as atividades humanas podem interagir com os extremos climáticos de diferentes maneiras e que, combinados ou não, esses distúrbios podem ameaçar o delicado equilíbrio da fauna da floresta tropical, incluindo insetos, e sua principal contribuição para os processos do ecossistema.

O professor Jos Barlow, da Universidade Federal de Lavras no Brasil e da Universidade de Lancaster, disse: “As florestas tropicais ao redor do mundo estão cada vez mais ameaçadas por mudanças climáticas antropogênicas, distúrbios humanos locais e extremos climáticos mais frequentes e severos. Precisamos de ações para mitigar o clima em andamento. e crise de biodiversidade, se quisermos manter a biodiversidade florestal e sua contribuição para as pessoas para as gerações futuras “.