Em nosso tempo, o tempo que nos cabe viver, ocorreram e continuam acontecendo coisas assombrosas.

Quem é do meu tempo deve lembrar de como vivíamos e de coisas que usávamos, meio século atrás: toca disco, rádio “de pilha”. Cerveja em garrafa de 600 ml. Bailes, tocados por conjuntos ou bandas, ao vivo. Caso fossemos para o interior, onde não havia “luz elétrica” e, evidentemente, também não havia geladeira (aqueles que a possuíam a faziam funcionar com base num motorzinho a querosene) observaríamos uma simples e eficiente técnica de conservação de carne: salgá-la e deixá-la secando ao sol, para depois ser guardada. Em muitas casas a carne de porco passava por outro processo: toda ela era colocada num taxo, fritada e depois guardada em latas com banha… uma delícia…

Mas o tempo passou.

E chegamos ao nosso tempo. Ao mundo atual. Tudo rápido. Digital. Controlado remotamente. Por controle de voz. Por sensor de movimento…. E o passo seguinte já sendo dado: Quase tudo sendo assumido pelos sistemas de inteligência artificial.

Naquele tempo era tudo mecânico. Não dava para trocar um disco de vinil remotamente. Era necessário levantar do sofá. Pegar o disco. Virá-lo e, com muita delicadeza, recolocar a agulha do braço do toca-discos no início para tocar as quatro, cinco ou seis músicas do LP. E depois trocar novamente…

Atualmente, se quisermos, podemos fazer uma play list, com trezentas ou quinhentas músicas que se sucedem com um único toque de start.

E as comunicações, então… As notícias de quem morava longe, iam ou chegavam, por meio das cartas. E como demoravam. Claro, alguns tinham telefone em casa: pedia ligação para a telefonista, que discava e chamava o número desejado. E quando tudo corria bem a pessoa, do outro lado atendia. Depois veio o DDD…

Mas tudo isso é passado. Nostalgia, para alguns. Alívio para outros. Mas é passado!

O fato é que nesse último meio século tudo mudou. Virtualizou-se. Tornou-se Infotecnovitual. Tudo é fácil e acessível ao toque de um botão.

Resultado?

Nos distanciamos. Mesmo morando na mesma casa, quase não nos encontramos: de casa para o trabalho, do trabalho pra outra atividade… e sempre correndo… e sem tempo… e sempre atrasados… e sempre cansados…

E quando chegamos em casa, cansados, estressados, irritados com as dificuldades do dia mal vivido, mal temos tempo para um banho e queremos repouso. E os problemas domésticos se avolumam. E a família entra em crise. E a sociedade perde o rumo… ou os valores…

Num mundo de comunicação, não sabemos nada de quem está ao nosso lado. Num universo que exige intensa interatividade no trabalho, vivemos isolados. Num período de múltiplas facilidades nos atrapalhamos com coisas simples…

E, de repente, somos atropelados por uma crise que implode nossas crises anteriores: nos dizem que devemos permanecer em casa. Pior ainda: temos que ficar em casa e conviver com nossa família. E, o terror disso tudo: os pais se vêm obrigados a conviver com os seus filhos!!!

Poucos dias antes as escolas, os cursinhos, as babás, os cuidadores… eram obrigados a suportar nossas crianças, suas birras, suas malcriações, sua falta de limites…

Mas, de repente, caiu sobre todos essa loucura que é um “toque de recolher”. E as crianças não podem azucrinar os “terceirizados” pois não podem sair de casa. E, depois de quase meio século de descaminho, os pais estão sendo obrigados a cuidar de seus filhos… Tão verdadeira é essa situação que uma professora, fez esta perfeita observação: “é bom não ter aula por uns dias. Só assim, dentro de uma semana, uma mãe desesperada vai encontrar a cura para o coronavírus

Mas o drama da quarentena, pode nos permitir outras observações. Que fazer, se não temos nada pra fazer? Certamente muitas discussões e brigas acontecerão no espaço doméstico. Famílias inteiras terão que se suportar por alguns dias, no mesmo ambiente que já foi um lar. Pais e filhos e esposos terão que se olhar todos os dias, sem a desculpa de “sair para o trabalho”.

Essa pandemia está fazendo com que as pessoas se olhem no espelho. E, além de nos colocarmos diante do espelho, seria importante nos perguntarmos: quem é esse que vejo em minha frente?

Talvez, depois de alguns dias de confinamento, mirando-nos no espelho de nossa família, possamos repensar nossas vidas. Nossas relações. Nossas opções.

Talvez, com esse drama, quase de ficção científica, consigamos reaprender, coisas simples como: o sentido da solidariedade; a importância dos aparelhos de comunicação, atrás dos quais passamos parte de nossa vida nos ocultando; o real sentido de um aperto de mão, de um abraço, de um beijo…

Talvez, quem sabe, a sociedade em que estamos mergulhados, redescubra o significado de solidariedade. Quem sabe seja possível redescobrir que os aparelhos de comunicação não existem somente como esconderijo…

Talvez essa catástrofe nos permita perceber a insignificância e a grandeza do ser humano. Tão insignificante somos que um minúsculo ser nos encurrala a todos dentro dos nossos medos. Tão grandioso ao ponto de inúmeros profissionais da saúde, entre outros, se sacrificarem em socorro de tantos.

Talvez, diante desse mal, mais assustador que efetivo produtor de males, a humanidade se reconduza na direção do encontro: do outro, da família; podem ocorrer auto-encontros. Mas também é possível que os mandatários das nações descubram o verdadeiro poder da tirania e a exerçam sobre os povos, com mais requinte e maldade que atualmente.

Em nosso tempo, o tempo que nos cabe viver, parece que estamos recebendo uma nova oportunidade, como se nos fosse apresentada uma nova arca, em um novo dilúvio… Mas também pode ocorrer que afundemos junto com a arca da salvação…

Talvez…