Batizado de Trub Session, o novo projeto da StartUp Brewing Co. baseia-se em produzir rótulos que se beneficiam em eficiência e sustentabilidade provenientes do reaproveitamento de lúpulo no processo de fabricação artesanal. Com qualidade garantida, a técnica já foi aplicada na produção de dois novos rótulos da cervejaria: Trub Session NEIPA #1, da UX Brew, e na Session IPA, da Unicorn.

A essência do projeto Trub Session é fazer bom uso dos recursos naturais e, de quebra, ter ainda mais economia com insumos, resultando em produtos com a mesma qualidade, porém com preços mais acessíveis ao consumidor.

O propósito da cervejaria, que só durante este período de Isolamento Social já lançou mais de 20 rótulos, entre marcas próprias e aceleradas (Unicorn, Juan Caloto e Ux Brew) é a democratização da cerveja artesanal e a crescente impressão de sustentabilidade em todos os processos que envolvem a sua produção.

Para dar início ao projeto não foi necessário nenhum tipo de investimento em equipamentos, uma vez que a fábrica já é muito bem equipada e teve um investimento até o momento de R$ 20 milhões. Foi necessário apenas uma adaptação em uma das etapas do processo, treinamento às equipes e muita coragem para fazer os testes em lotes maiores.

“O uso massivo de lúpulo em cervejas muito lupuladas é o insumo mais caro da maioria das receitas de cervejas artesanais, e o que tem o maior impacto no preço final quando sai de uma fábrica – sem contar impostos, é claro, explica André Franken, diretor da StartUp Brewing Co.

Para melhor entender, a técnica consiste em retirar os lúpulos que foram usados no processo de dryhopping de uma cerveja muito lupulada, onde a quantidade/volume é muito alta, como insumo para uma nova produção. A massa vegetal, ainda concentra de alta carga de aroma, funciona como uma bioreciclagem, reutilizando o insumo em uma segunda receita de cerveja que precisa de menor carga de lúpulo. Desta forma, cada vez um mesmo rótulo da série Trub ganhará um perfil sensorial diferente, por conta das cervejas doadoras desses lúpulos.

Sobre a técnica aplicada em outras partes do mundo, existe apenas uma referência em um site americano, citando estudos. “Não temos informação se lá essa técnica já é utilizada com a mesma finalidade, mas é certo que, por aqui, já estamos queremos expandir a receita”, comenta André Franken, que pretende estender em breve o processo a produtores ciganos que utilizam a estrutura da fábrica.

Missão sustentável

Dentro da StartUp sempre existiu ações permanentes para a reutilização do lúpulo onde é possível, pois essa ser uma matéria prima notavelmente abundante na cervejaria.

Em paralelo ao projeto Trub Session, a StartUp continuará com outros projeto sustentáveis já existentes, como a secagem posterior adaptada dessas massas vegetais oriundas do lúpulo, que são enviadas para uma empresa especializada e certificada nos órgãos ambientais para reaproveitamento desses resíduos em adubo.

O bagaço de malte, de toda produção da fábrica, também tem destino certo. É armazenado em bombonas fechadas e enviado a criadores de ovinos que os utilizam como ração.

E por fim, há separação de todo o lixo reciclável da fábrica, que depois de separado é enviado a uma cooperativa credenciada.