Ontem à noite, a equipe de Defesa Planetária da ESA observou o raro momento em que um objeto escapou da gravidade do nosso planeta, em contraste com seus objetos normais de estudo – rochas potencialmente perigosas que poderiam atingi-lo.

Às 19:15 UTC (20:15 CET) de 10 de fevereiro, pouco mais de 20 horas após o lançamento do Solar Orbiter, a equipe aproveitou a oportunidade para capturar essa sequência de observações usando o telescópio Schmidt em Calar Alto, na Espanha.

O clipe cobre um período de tempo de cerca de 10 minutos e é composto por 36 observações a cada 10 segundos.

No momento em que foi tirada, o Solar Orbiter estava a aproximadamente 310.000 km da Terra e viajava para Vênus para sua primeira assistência gravitacional no dia de Natal deste ano. Ainda dentro da órbita da Lua – apenas – já era um objeto fraco no céu, brilhando como uma estrela de magnitude 19,5 (250.000 vezes mais fraca do que podemos ver a olho nu).

O Centro de Coordenação de Objetos Próximo à Terra, baseado no Centro de Observação da Terra da ESA na Itália, coordena e contribui para a observação de pequenos corpos do Sistema Solar, a fim de avaliar e monitorar o risco que eles representam.

Estas observações do Solar Orbiter foram feitas com base numa proposta de Gerhard Holtkamp, ​​um astrônomo amador que trabalha no local guiando visitas públicas ao controle de missão da ESA.