Uma equipe de pesquisadores dos EUA, Bolívia, Brasil, Suécia, Peru e Colômbia descobriu que a maioria dos projetos rodoviários atualmente planejados para a floresta amazônica não foram avaliados quanto a impactos ambientais ou econômicos. Os pesquisadores descreveram sua própria avaliação do impacto de 75 projetos planejados de construção de estradas na Amazônia.

Apesar do papel crítico que a floresta amazônica desempenha no armazenamento de carbono, os governos da região continuam a aprovar projetos de construção de estradas, muitas vezes sem nunca avaliar o impacto ecológico desses projetos ou se serão economicamente viáveis. Nesse novo esforço, os pesquisadores analisaram 75 projetos de construção de estradas que estão programados para os próximos cinco anos.

Os pesquisadores começaram observando que a construção das estradas, que juntas somam 12.000 quilômetros, custará aproximadamente US $ 27 bilhões. As estradas serão construídas na Colômbia, Peru, Equador, Bolívia e Brasil. Eles também observam que a lógica para a construção das estradas é promover a agricultura e a pecuária. Para avaliar o impacto dos projetos, a equipe optou por restringir o estudo a 20 anos.

estradas na Amazônia
estradas na Amazônia

Os pesquisadores descobriram que a construção das estradas resultaria em desmatamento de aproximadamente 2,4 milhões de hectares de floresta tropical. Dezessete por cento dos projetos violam os regulamentos ambientais ou os direitos indígenas. Eles também descobriram que o dinheiro gasto para construir muitas das estradas não resultaria em ganho econômico – em vez disso, quase metade delas sofreria perdas. Eles descobriram que o cancelamento dos que projetam sofrer perdas impediria perdas de até US $ 7,6 bilhões e a redução da perda de floresta tropical em aproximadamente 1,1 milhão de hectares.

Os pesquisadores também classificaram as estradas por grau de impacto ambiental (e social) e descobriram que, se os planejadores aprovassem aquelas com menos impacto e cortassem as demais, veriam um ganho líquido de US $ 4 bilhões, reduzindo a perda de floresta tropical a apenas 10% das projeções originais. Eles concluem que avaliações apropriadas dos projetos de construção de estradas na Amazônia podem reduzir a quantidade de florestas cortadas e os custos envolvidos.