A mídia digital mudou fundamentalmente a maneira como consumimos notícias. Supõe-se frequentemente que o uso de redes sociais e mecanismos de pesquisa teve um impacto negativo na diversidade de notícias que as pessoas acessam. Isso geralmente é atribuído à filtragem algorítmica usada por esses intermediários, que exibe apenas informações que correspondem aos interesses e preferências dos usuários individuais.

No entanto, um estudo recente realizado por pesquisadores da Universidade Johannes Gutenberg de Mainz (JGU), da Universidade de Hohenheim e do GESIS – o Instituto Leibniz de Ciências Sociais de Colônia contradiz essa conjectura generalizada. Com base em uma análise inovadora do comportamento de navegação na web de mais de 5.000 usuários alemães da Internet, os resultados mostram que o uso de intermediários como Facebook, Twitter, Google ou portais como GMX resulta em mais visitas a sites de notícias e em uma variedade maior dos sites de notícias visitados. Isso contraria o que foi postulado até o momento.

“Qualquer pessoa que visite o Facebook ou o Google tem muito mais chances de entrar em contato com notícias. Portanto, o uso desses intermediários é um mecanismo importante no consumo de notícias na Internet”, disse o Dr. Frank Mangold, da Universidade de Hohenheim. A equipe de pesquisa atribui isso ao conceito de exposição incidental a notícias. No caso da mídia tradicional, como a televisão e os jornais, as pessoas geralmente só veem as notícias se decidem deliberadamente fazê-lo. Em plataformas intermediárias, eles também podem entrar em contato com notícias por acaso, se, por exemplo, seus contatos compartilharem conteúdo de notícias com eles ou ocorrerem em artigos interessantes ao verificar seus e-mails.

Segundo os pesquisadores, as descobertas do estudo podem ter implicações políticas e sociais significativas, uma vez que refutam a noção de formação de bolhas de filtro e câmaras de eco. “Debates anteriores, em muitos aspectos, giraram em torno do medo de que a mídia online levasse a novas barreiras sociais”, disse o professor Michael Scharkow, da Universidade de Mainz. “No entanto, nossas descobertas mostram que as mídias sociais e os mecanismos de pesquisa têm um grande potencial para quebrar as barreiras existentes”.

“De estudos anteriores realizados pela Universidade de Oxford em particular, sabemos que, embora o acesso às notícias geralmente ocorra parcialmente por acaso, também se deve em parte à escolha consciente. Alguns usuários até visitam sites como o Facebook e o Twitter para consumir conteúdo de notícias. “, acrescentou o Dr. Johannes Breuer, do GESIS.

Para o estudo, os pesquisadores usaram um modelo estatístico para calcular o uso diário estimado do conteúdo de notícias, a fim de isolar a extensão do contato acidental ou não planejado com as notícias. “Independentemente de um usuário geralmente consumir poucas ou muitas notícias on-line, nos dias em que alguém passava mais tempo no Facebook, Twitter ou Google do que o habitual, eles também entraram em contato com mais e mais notícias de diferentes fontes do que o habitual “, afirmou o Dr. Sebastian Stier, do GESIS, à luz dos resultados.

Por último, mas não menos importante, os pesquisadores também apontam que são necessários mais estudos e insights mais detalhados sobre os algoritmos dos intermediários, a fim de entender mais precisamente como esses intermediários promovem o consumo acidental de notícias não intencionais.