Hospital & Clínica de São Gonçalo começa programa de teleatendimento para informar e rastrear possíveis casos em pacientes recuperados

Meses depois da detecção do novo coronavírus e o início de uma pandemia, os impactos da recente Covid-19 para a saúde humana seguem sendo diariamente investigados, e a cada ensaio clínico é possível entender mais do comportamento da doença, os fatores de risco e seus efeitos. Um deles, destacado recentemente por estudos diferentes no Brasil e no exterior, revela a possibilidade de complicações no sistema cardiológico dos infectados pela Covid-19, mesmo naqueles pacientes já tratados e recuperados do vírus. Por isso, o Hospital & Clínica São Gonçalo (HCSG), na zona metropolitana do Rio de Janeiro, iniciou nesta semana um monitoramento de todas as pessoas que foram internadas na unidade por causa do novo coronavírus com o objetivo de informar sobre os cuidados necessários com o coração e oferecer os serviços ambulatoriais do hospital para acompanhamento.

De acordo com o doutor Angelo di Candia, gestor da unidade coronariana do Hospital & Clínica São Gonçalo, as consequências da doença já haviam sido percebidas, e ganharam mais embasamento científico nas últimas semanas.

“A ideia do acompanhamento veio também, na verdade, da observação que a gente já fazia no Hospital dos pacientes internados, e vimos que alguns desenvolviam graus diversos de acometimento cardíaco associado à infecção pela Covid”, explica, destacando que a agressão do vírus pode ser maior do que o previsto até então. “Os estudos e publicações no mundo todo mostram com evidências mais claras que essa propriedade do vírus de agredir o músculo cardíaco e também os vasos que estão dentro do coração, mesmo os pequenos vasos, é maior do que pensávamos no início da pandemia. Com isso, aumenta-se o risco de complicações, de curto e longo prazo, associadas à descompensação de doenças cardíacas, algo que pode ocorrer mesmo em pacientes que se recuperaram da Covid”, afirma o cardiologista.

O contato com os pacientes recuperados da Covid é feito, primeiramente, por telefone. O serviço de telemedicina vai ajudar a rastrear, de início, as possíveis complicações derivadas da infecção e, mais importante, alertar as pessoas para a possibilidade desse quadro. São mais de 400 recuperados do coronavírus somente no HCSG desde o primeiro caso. O acompanhamento é uma ação orientada e estimulada, também, pela Sociedade Brasileira de Cardiologia (SBC).

“Nós queremos passar a mensagem de que é importante que todo paciente que se recupera de Covid-19 tenha uma avaliação cardiológica posterior, um acompanhamento ambulatorial. Existem fatores que determinam as chances de se ter uma agressão maior ou menor, e por isso vamos informar sobre a vigilância cardiológica”, assegura o doutor Angelo. O Hospital & Clínica São Gonçalo tem, desde o começo da pandemia, uma estrutura preparada e segura para atender os pacientes da Covid e conta com um fluxo de pacientes organizado que mostrou resultado positivo. Atualmente, tem experimentado uma redução de mais de 50% do número de casos, em média, em relação aos primeiros meses, e não há casos registrados de internação, hoje, em que se encontre complicação cardíaca grave em pacientes infectados pelo novo coronavírus.