Brasil 10/6/2020 – Por envolver bens essenciais, o setor de alimentos tem driblado a crise, principalmente empresas com marcas cujo foco é a venda no varejo

Segundo a consultoria JK Capital, segmento foi um dos únicos que cresceu em abril e passa por aquisições

O setor de alimentos mostrou resiliência durante a pandemia. A crise favoreceu o crescimento do consumo de alimentos da cesta básica, como arroz e feijão, e houve um ligeiro aumento no preço desses itens.

O segmento, inclusive, foi um dos apenas três que escaparam da forte queda da produção industrial em abril, com crescimento de 3,3%, juntamente com remédios e produtos de limpeza.

Em maio, houve ainda uma aquisição no setor. A JK Capital, consultoria especializada em fusões e aquisições, assessorou a SDFLC, dedicada à produção de ingredientes para sorvetes e sobremesas, na venda de 20% de participação remanescente para a Frutarom do Brasil, subsidiária da International Flavors & Fragances (IFF).

A Frutarom já havia adquirido 80% da SDFLC em 2017 e agora completou a aquisição da participação remanescente.

“Por envolver bens essenciais, o setor de alimentos tem driblado a crise, principalmente empresas com marcas cujo foco é a venda no varejo. Já os canais de food service, que oferecem refeições para quem está fora de casa, sofreram”, avalia Marcell Portugal, sócio da JK Capital.

“O grande desafio do setor é procurar inovação para passar pela crise, apostando em digitalização, entregas em casa e dark kitchens – as cozinhas específicas para delivery”, completa.

O ano começou aquecido para a JK Capital – foram cinco operações concluídas até agora no total – e há outras quatro com conclusão prevista para os próximos seis meses.

A empresa concluiu cerca de 20 transações em 2019 e espera um ano positivo também para 2020, mesmo com os efeitos da pandemia.

Website: http://www.jkcapital.com.br