Carro sendo abastecido
Gasolina mais cara leve diversas variáveis, como a alta do dólar

Após vários reajustes, sendo o último feito no dia 29 de outubro de 2021, com aumento de R$ 0,20, e o diesel com aumento de R$ 0,22, já é possível ver o preço da gasolina sendo cobrado acima de R$6, e R$7 em outras localidades. 

A fim de se esclarecer ao povo brasileiro, a estatal divulgou em nota que as altas são devido à “elevação dos patamares internacionais de preços de petróleo, impactados pela oferta limitada frente ao crescimento da demanda mundial, e da taxa de câmbio”. 

Além disso, a estatal responsável estava tentando evitar o aumento do valor, isso porque, segundo a empresa, a gasolina estava há 58 dias sem aumento nas refinarias, e o gás de cozinha somava 95 dias. 

Anteriormente, houve um conjunto de fatores que afetaram o valor dos combustíveis, no caso, a explosão dos preços de gás natural, o GNL, que reforçava uma fase conturbada na Europa a uma possível crise energética. 

Para ter uma compreensão melhor do aumento da gasolina no Brasil, deve-se entender todo um processo que está por trás dos reajustes. Abaixo, explicaremos como o combustível brasileiro chegou nesse preço exorbitante. 

1 – Aumento da demanda

Desde o início do ano, a cotação do petróleo vem tendo uma sequência alta. Para se ter uma ideia, o preço do barril tipo Brent, que é a referência internacional, passou de U$ 80 no último dia 28 de setembro de 2021. Esse aumento não acontecia desde outubro de 2018.

Todas essas altas afetam diretamente nos derivados, que são:

  • Gasolina;
  • Diesel;
  • Gás natural;
  • Gás de cozinha.

A explicação por trás disso tudo, também inclui a pressão pelos dois lados, que é: maior demanda, e a restrição de oferta. 

O aumento da demanda também é consequência da reabertura dos países que conseguiram conter o contágio do coronavírus. Em algumas regiões, o impacto foi ainda mais forte quando o cenário começou a se normalizar. 

A medida também foi uma alternativa para entrar na política de médio e longo prazo de transição energética do país. De certo modo, a normalização pós pandemia também serviu para pressionar o Brasil.  

Na Europa, o preço do gás natural também aumentou devido à inesperada alta de consumo, e acabou sendo surpreendida pela redução de energia renovável, que vinha tendo um papel importante na matriz da localidade. 

Outro fator que é importante comentar, é o fato de que muitos parques eólicos do continente estão produzindo menos do que o padrão, devido à redução de ventos nas regiões. Nesses casos, nem mesmo um acoplamento com lâminas, que serve para gerar movimentos rotativos, funcionaria. 

Em um panorama mundial, no dia 29 de setembro deste ano, a SSE Renewables, uma empresa britânica que trabalha no setor, afirmou que sua produção entre abril e setembro ficou 32% abaixo do esperado. 

Para deixar o cenário ainda mais difícil, a própria retomada das atividades, que entrou em um ritmo maior do que o acostumado, elevou consideravelmente o consumo de gás natural no continente durante o período do verão, sem que a oferta se recuperasse na mesma velocidade.   

2 – Restrição de oferta

Pelo fato da demanda ter aumentado, a oferta dos derivados infelizmente não acompanhou. Uma das razões para isso ter acontecido, é a dinâmica da Organização dos Países Produtores de Petróleo (Opep), um cartel de 13 países que concentra 33% da produção global.

Para se ter uma ideia, o grupo gera por dia cerca de 30 milhões de barris por dia. A Opep possui uma forma de administrar as operações, que é limitar a produção para evitar quedas substanciais nos preços ou mesmo valorizar a cotação trabalhada nos barris. 

No ano passado (2020), a Opep decidiu cortar as produções devido a pandemia, porém, felizmente as atividades estão sendo retomadas gradativamente e a expectativa de oferta é que seja normalizada até 2022. 

Não só o Brasil, mas outros países também sofreram com reajustes de gasolina. É o caso nos Estados Unidos, que está pressionando a Opep a retomar as atividades da forma mais rápida possível. 

3 – Alta do dólar

Resistente a R$ 5, antes as pessoas nunca imaginariam que o dólar iria chegar no valor em que está agora. Como a maioria das pessoas sabem, o Brasil passa por uma profunda desvalorização cambial, o que dificulta ainda mais a retomada dos valores normais. 

Por trás, há uma série de motivos que explicam o porquê da moeda americana estar se mantendo no valor em que está. Alguns desses motivos são externos, como a previsão de juros nos Estados Unidos, e a retirada de programas monetários. 

Toda a imagem negativa que o Brasil tem em seus setores políticos, e econômico, fazem com que os investidores fiquem indecisos em investir no país. 

4 – Biocombustíveis mais caros

Os biocombustíveis é uma composição da gasolina e do diesel, que por sua vez, também enfrenta uma grande alta, logo, isso também contribui no valor final dos combustíveis. 

O etanol é responsável por 27% do litro de gasolina que é comercializado nos postos. Já o biodiesel, responde por 10% do diesel que sai das bombas, por isso a necessidade de trabalhar com a contabilidade e consultoria.

Os efeitos climáticos também afetam o valor dos combustíveis. Atualmente, o Brasil possui algumas áreas importantes que estão sofrendo com a falta de chuva, e as geadas. Em junho e julho, devido ao clima desfavorável, a produção das lavouras foram reduzidas. 

A soja que é usada no biodiesel se encontra mais cara, e com a maior demanda e a oferta prejudicada pelas estiagens, a cotação da commodity acumula alta de até 70%. 

Entenda o papel da Petrobras no mercado

No Brasil, o dólar e a cotação do petróleo vem tendo cada vez mais influência no valor dos combustíveis desde 2016, quando a Petrobras decidiu praticar o Preço de Paridade Internacional (PPI). Essa prática trabalha em cima das flutuações do mercado internacional.

Essa mudança de política aconteceu como uma resposta ao controle de preços que vigorou na estatal entre 2011 e 2014, que até então, foi decidida pela presidente Dilma Rousseff, para assegurar a inflação da época. 

É como se fosse uma cotação de seguro auto, onde a primeira presidente do Brasil se viu na necessidade de desenvolver um orçamento em recursos para evitar que o país se afundasse na inflação. 

O caixa da Petrobras foi duramente afetado, isso porque de um lado a companhia arrecadava menos do que o seu potencial. De outro lado, chegava a subsidiar os preços, importando combustíveis mais caros e vendendo mais barato no mercado interno. 

Para ficar mais fácil de entender, o combustível era uma mercadoria que passa pelo serviço de desembaraço aduaneiro, para ser liberada para chegar em outro país. Ao chegar no respectivo país, nessa transação de ida e vinda, a mercadoria ficava cada vez mais desvalorizada. 

Como há toda uma série de motivos para a Petrobras se encontrar na situação em que está, é indispensável dizer que até mesmo as ações que foram praticadas pela companhia contribuíram para a má fase. 

Para entender melhor, podemos usar o exemplo em empresas comuns. No momento em que a administração dos valores que entram e sai é gerenciada de forma errada, automaticamente, haverá dívidas. 

Por isso, muitas empresas contratam uma empresa dedicada em serviços, que é o caso de uma consultoria contábil, que visa auxiliar em todas essas questões, evitando possíveis problemas no futuro.

Todo esse desequilíbrio levou a empresa a se afundar em dívidas, comprometendo a capacidade de investimento. Nesse momento, a companhia também enfrentava várias polêmicas que envolvia corrupção, e com isso, grandes recursos foram desviados. 

Nessa fase da companhia, foi como uma pessoa pesquisar por “preço de bloqueador automotivo” no Google, e ver que o espaço de tempo para acionar o aparelho ao entrar era 60 segundos. Em termos empresariais, foi em questão de 60 segundos que a Petrobras decaiu. 

Uma capacidade menor de refinaria, a companhia passa a depender cada vez mais de importações, segundo a economista. Isso deixa a empresa com limitações de manobra para amortecer as flutuações do mercado internacional. 

No caso de empresas comuns, é comum possuírem um treinamento de multiplicador, que é nada mais do que um profissional que possui um conhecimento aprofundado em um determinado tema. Logo, esse profissional treinará a equipe para evitar limitações nas operações. 

Logo, a companhia brasileira acaba necessitando cada vez mais de ferramentas de otimização de operações, independentemente de qual seja. É o caso do sistema de automação comercial, que trabalha em cima de processos manuais.

Qual o papel do ICMS nisso?

Entenda que, no caso da gasolina, a Petrobras responde por 34% do preço que é pago pelos consumidores. Uma estrutura de precificação foi utilizada no fim de setembro, pelo presidente da estatal, Joaquim Silva e Luna. 

Para se esclarecer sobre a alta dos preços, os mesmos falaram que “tudo que excede R$ 2” não é responsabilidade da companhia. Há meses o ICMS tem sido a sigla que muitas pessoas começaram a comentar, isso porque, é o objeto que mais causa brigas políticas.

No fim de agosto, o presidente Jair Bolsonaro chegou a afirmar que a alta dos combustíveis era consequência da “ganância dos governadores”.O valor nominal de ICMS pago por litro cresceu porque agora é usado como base de cálculo. 

Esse texto foi originalmente desenvolvido pela equipe do blog Guia de Investimento, onde você pode encontrar centenas de conteúdos informativos sobre diversos segmentos.