Gigantes da Internet combatem a disseminação de inverdades por coronavírus

Gigantes da Internet
As plataformas tecnológicas estão intensificando os esforços para impedir a disseminação de informações erradas sobre o novo coronavírus

À medida que o novo coronavírus se espalha globalmente, a batalha online para manter as informações erradas sobre a doença também está se intensificando.

Google, Facebook e outras plataformas estão lutando para se manter à frente de golpistas, trolls e outras pessoas com más intenções que rotineiramente usam grandes tragédias ou desastres como oportunidades para enganar ou manipular pessoas.

“A preocupação pública com o coronavírus está sendo usada como um veículo para levar as pessoas a transmitirem informações erradas e desinformadas”, disse Carl Bergstrom, professor de biologia da Universidade de Washington.

As empresas de Internet participaram de uma reunião com a Organização Mundial de Saúde na semana passada, nos escritórios do Facebook no Vale do Silício, para discutir táticas como promover informações confiáveis ​​e checar alegações duvidosas sobre o coronavírus chamado COVID-19.

“(Precisamos) combater a disseminação de rumores e desinformação”, disse recentemente à AFP o diretor geral da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus.

“Para esse fim, trabalhamos com o Google para garantir que as pessoas que pesquisam informações sobre o coronavírus vejam as informações da OMS no topo de seus resultados de pesquisa”.

A pesquisa do Google classifica as fontes autorizadas mais altas quando as pessoas procuram informações sobre saúde e marcam resultados ou notícias que foram verificadas.

Ghebreyesus disse que plataformas de mídia social como Twitter, Facebook, Tencent e TikTok também adotaram medidas para limitar a disseminação de informações errôneas sobre o coronavírus.

O Facebook afirmou em recente publicação on-line que está se concentrando em reivindicações que, se usadas, podem aumentar a probabilidade de alguém ficar doente ou não receber tratamento adequado.

Pesquisadores dizem que os trolls da Internet e outros costumam usar uma crise de saúde para espalhar informações falsas ou vender "óleo de cobra".
Pesquisadores dizem que os trolls da Internet e outros costumam usar uma crise de saúde para espalhar informações falsas ou vender remédios para “óleo de cobra”

“Isso inclui alegações relacionadas a curas falsas ou métodos de prevenção – como beber alvejante cura o coronavírus – ou afirmações que criam confusão sobre os recursos de saúde disponíveis”, disse Kang-Xing Jin, chefe de saúde do Facebook.

“Também bloquearemos ou restringiremos as hashtags usadas para espalhar informações errôneas no Instagram e realizaremos varreduras proativas para encontrar e remover o máximo possível desse conteúdo”.

Venda de óleo de cobra

Bergstrom disse que algumas informações errôneas sobre vírus são “pessoas tentando vender produtos de óleo de cobra”, como curas ou tratamentos falsos, enquanto outros usam enganos que chamam a atenção para direcionar o tráfego on-line que gera dinheiro com publicidade.

A desinformação também é difundida por “atores” para alimentar a desconfiança pelo estabelecimento na China ou fomentar a instabilidade social em geral, de acordo com Bergstrom.

“Há apetite por informações atualizadas e em tempo real”, disse Jevin West, co-autor de um livro sobre desinformação da Bergstrom.

“Esses atores podem tirar proveito disso; coisas com cenários mais loucos têm mais chances de serem clicadas do que o relatório daquele médico da OMS que tenta acalmar os medos”.

O Facebook afirmou que quando os usuários buscarem informações relacionadas ao vírus, a rede social exibirá caixas “pop-up educacionais” com informações consideradas credíveis.

O Facebook também está dando créditos de publicidade gratuitos para organizações que executam campanhas educacionais contra coronavírus.

O Google e o Facebook dizem que estão buscando promover informações confiáveis, enquanto limitam a disseminação de trotes sobre as empresas mortais.
Google e Facebook dizem que estão buscando promover informações confiáveis, limitando a disseminação de boatos sobre a epidemia mortal de coronavírus

A plataforma de compartilhamento de vídeos pertencente ao Google, YouTube, vem modificando políticas e produtos há vários anos para remover conteúdo nocivo e dar prioridade ao conteúdo oficial considerado confiável.

“Atualmente, não permitimos conteúdo que promova remédios ou curas perigosos, como vídeos que afirmam que substâncias ou tratamentos perigosos podem trazer benefícios à saúde”, afirmou o YouTube.

O YouTube no ano passado começou a fornecer links para informações confiáveis, além de vídeos sobre “assuntos propensos a desinformação”, e adicionou o coronavírus a essa lista.

Verificações de fatos ajudando ou não?

Gigantes da mídia social também aumentaram a quantidade de verificadores de fatos, contratando terceiros como a AFP News Wire, para separar a verdade da ficção, mesmo que haja dúvidas sobre sua eficácia.

Um estudo recente publicado na revista Science Advances sugeriu que a verificação de fatos fez pouco para conter a maré de informações erradas sobre outras epidemias, como zika, ebola e febre amarela.

Os pesquisadores disseram que “as abordagens atuais para combater as teorias de desinformação e conspiração sobre epidemias e surtos de doenças podem ser ineficazes ou até contraproducentes” e podem até causar danos “colaterais”, minando a confiança nas informações de doenças baseadas em fatos.

Bergstrom e West questionaram se os gigantes das mídias sociais otimizados para a viralidade poderiam conter a maré de desinformação e engano.

“A empresa de mídia social que afirma ser participante ativa na luta contra a desinformação é como a Philip Morris (fabricante de tabaco) dizendo que é participante ativa na luta contra o câncer de pulmão”, disse Bergstrom.