O Google está discutindo acordos para pagar às organizações de mídia por conteúdo, uma medida destinada a embotar as críticas de que lucra injustamente com notícias protegidas por direitos autorais, segundo pessoas familiarizadas com as negociações.

Dizia-se que as negociações entre o gigante da Internet e os meios de comunicação estavam nos estágios iniciais, com a maioria das editoras localizadas na França e em outras partes da Europa.

Pagar por notícias divergiria da prática do Titã da Internet de propriedade do alfabeto de minerar livremente a Internet pelo material que ele exibe nos resultados da pesquisa .

Um acordo de licenciamento provavelmente será bem-vindo por organizações de notícias que alegam que o Google obtém lucros de anúncios juntamente com seus artigos de notícias , incluindo “trechos” nos resultados de pesquisa.

Contactado pela AFP na sexta-feira, o Google indicou que está buscando novas maneiras de ajudar os editores.

“Queremos ajudar as pessoas a encontrar jornalismo de qualidade – é importante informar a democracia e ajudar a apoiar um setor de notícias sustentável”, afirmou o vice-presidente de notícias do Google, Richard Gingras, em comunicado.

“Nós nos preocupamos profundamente com isso e estamos conversando com parceiros e procurando outras maneiras de expandir nosso trabalho contínuo com os editores, desenvolvendo programas como nossa Iniciativa Google Notícias”.

O Wall Street Journal informou na sexta-feira que o Google estava considerando acordos para um produto de notícias “premium”.

A gigante da tecnologia da Califórnia permaneceu firme em não pagar pelos links de artigos de notícias exibidos nos resultados de pesquisa e não está mudando essa posição, disseram à AFP pessoas familiarizadas com o assunto.

Ele argumentou que direciona tráfego para sites de notícias e, assim, ajuda esses editores a obter receita com anúncios.

A Google News Initiative trabalha com os editores para incentivar leitores e assinaturas pagas de suas ofertas.

O Facebook, que foi alvo de críticas semelhantes, lançou no ano passado uma “guia de notícias” dedicada com conteúdo produzido profissionalmente – um movimento da rede social para promover o jornalismo e perder sua reputação como plataforma de desinformação.

Esperava-se que o Facebook pagasse algumas das organizações de notícias , supostamente milhões de dólares em alguns casos.

A iniciativa do Google é pressionada a cumprir uma diretiva européia de direitos autorais sobre o conteúdo nos resultados de pesquisa.

O Google disse no ano passado que não pagaria aos meios de comunicação europeus por usarem seus artigos, fotos e vídeos em suas buscas na França, o primeiro país a ratificar a diretiva de direitos autorais, aumentando a perspectiva de ação legal contra o titã da Internet.

A gigante da tecnologia disse que só exibirá conteúdo nos resultados de seus mecanismos de pesquisa e no Google Notícias de grupos de mídia que deram permissão para o uso gratuito.