Os incêndios florestais aumentaram as emissões de dióxido de carbono no Brasil nos últimos dois anos, prejudicando os esforços do governo do presidente Jair Bolsonaro para restaurar as credenciais ambientais do país.

As emissões saltaram 10% em 2019, o primeiro ano de Bolsonaro no cargo, após uma década de pequenas quedas ou estagnação, de acordo com um relatório publicado sexta-feira pelo Observatório do Clima, uma rede de organizações ambientais brasileiras. Dados preliminares mostram que a nova tendência pode acelerar até 20% em 2020, mesmo com a pandemia de redução da quantidade de CO 2 produzida pelos transportes e pela atividade industrial em todo o mundo, alertou o grupo.

“É um aumento considerável que faz o Brasil correr contra a tendência mundial”, disse em entrevista Tasso Azevedo, ex-chefe do Serviço Florestal Brasileiro e agora responsável por um sistema que estima as emissões de gases de efeito estufa do Observatório do Clima. “Isso está basicamente associado ao desmatamento; o Brasil está se distanciando cada vez mais da meta do Acordo de Paris.”

O ministério do meio ambiente não respondeu imediatamente a um pedido de comentário.

O Brasil enfrentou indignação global nos últimos dois anos, à medida que um número crescente de incêndios destruiu trechos da floresta amazônica e do Pantanal. Em junho, um grupo de investidores institucionais proeminentes gerenciando cerca de US $ 3,7 trilhões em ativos enviou uma carta ao governo brasileiro ameaçando se retirar do país a menos que os indicadores ambientais melhorassem.

Desde então, o governo mudou sua estratégia e agora está convocando investidores para ajudar a Amazônia de maneiras não convencionais, como patrocinando um lote de floresta tropical. Autoridades do governo lideradas pelo vice-presidente Hamilton Mourão também intensificaram os esforços para convencer o mundo de que o Brasil se preocupa com o meio ambiente, visitando a floresta esta semana com um grupo de diplomatas da Europa e da América Latina.

Os números do Observatório do Clima colocam o Brasil entre os maiores emissores de dióxido de carbono do mundo, atrás da China, EUA, Rússia, Índia e União Europeia. O desmatamento foi responsável por 44% das emissões do país no ano passado, seguido pela agricultura, com 28%.

Os brasileiros produziram 10,4 toneladas de CO 2 per capita em 2019, acima da média mundial de 7,1 toneladas, segundo a entidade.

Apesar dos esforços do governo para mudar a percepção mundial sobre a política ambiental brasileira, Bolsonaro manteve um estilo combativo ao falar sobre o assunto. Em discurso na abertura da Assembleia Geral das Nações Unidas neste ano, ele minimizou a gravidade dos incêndios florestais , dizendo que são causados ​​por camponeses e indígenas que “queimam seus campos em áreas já desmatadas”.

Alguns membros de seu gabinete foram ainda mais longe. Em um discurso de 2019, o ministro das Relações Exteriores, Ernesto Araujo, disse que uma frente fria de maio que experimentou em Roma era uma evidência de que as teorias sobre o aquecimento global estão erradas.