Belo Horizonte (MG) 11/6/2020 – É preciso capacitar: o conceito que IgM é um anticorpo de fase aguda, e IgG é um anticorpo de fase tardia não é válido quando se trata do vírus SARS-CoV-2.

Assistência é voltada para auxiliar no uso adequado da testagem em pacientes com suspeita da COVID-19

Profissionais de saúde que atuam na linha de frente do combate à pandemia da COVID-19 agora podem contar com suporte técnico para a adequada aplicação dos testes rápidos de detecção do novo coronavírus (SARS-CoV-2).

A iniciativa integra as ações do Ministério da Saúde para a implementação da estratégia de oferta e utilização dos testes rápidos nos serviços de saúde, a partir da distribuição de mais de 9 milhões de testes às secretarias estaduais de saúde do país.

A assistência será realizada pela central de atendimento da empresa Celer Biotecnologia S.A., parceira comercial da fabricante chinesa responsável pelos testes rápidos adquiridos pelo governo brasileiro, a Wondfo. Por meio do número 3003-8385, os profissionais de saúde poderão tirar dúvidas a respeito do uso e leitura do resultado dos testes.

Essas e outras informações técnicas podem ser encontradas na página https://covid19.celer.ind.br, também desenvolvida pela Celer para auxiliar no suporte aos profissionais que realizam a testagem.

Atualização científica à imunologia clássica

Como parte da as ações da Celer em capacitar e esclarecer as dúvidas dos profissionais que aplicam os testes em sua rotina de trabalho, a empresa também irá ministrar um Webinar com o tema: Testes Rápidos para COVID-19 com IgG e IgM sem diferenciação.

O encontro virtual será realizado no dia 15 de junho, segunda-feira, às 20h. Segundo a médica infectologista e professora da Universidade Federal de Ouro Preto, Dra. Carolina Ali Santos, o conceito clássico de que IgM é um anticorpo de fase aguda, e IgG é um anticorpo de fase tardia não é válido quando se trata do vírus SARS-CoV-2. Por ser uma reação diferente da imunologia clássica, o tema desperta interesse e dúvida dos profissionais da saúde.

Segundo a especialista e palestrante do Webinar, o que se observa é que o IgG se torna positivo simultaneamente ao IgM ou até mesmo antes que o IgM. Além disso, muitos pacientes infectados pelo SARS-CoV-2 nunca se tornam IgM positivo. Também participará a biomédica, especialista em análises clínicas Mariana dos Santos Ronualdo.

As inscrições podem ser feitas pelo site https://materiais.celer.ind.br/webinar1.

Website: https://celer.ind.br