O número de mortos pelo surto de coronavírus na China subiu para 722 no sábado, incluindo a primeira vítima estrangeira, já que Hong Kong impôs uma quarentena obrigatória nas chegadas do continente para bloquear a propagação de uma epidemia que causou pânico global.

Com mais 86 pessoas morrendo na China continental – o maior salto de um dia até agora -, o número de mortos era de 774 mortos em todo o mundo durante a epidemia de SARS de 2002-2003.

Um cidadão americano de 60 anos diagnosticado com o vírus morreu na quinta-feira em Wuhan, cidade no epicentro da emergência de saúde, de acordo com a embaixada dos EUA, que não forneceu mais detalhes sobre a pessoa.

Um japonês de 60 anos com suspeita de infecção por coronavírus também morreu no hospital de Wuhan, informou o Ministério das Relações Exteriores do Japão, acrescentando que é “difícil” confirmar se ele está com a doença.

As únicas mortes fora do continente foram um chinês nas Filipinas e um homem de 39 anos em Hong Kong.

Quase 35.000 pessoas foram infectadas pela nova cepa, que se acredita ter surgido em um mercado que vendia animais selvagens em Wuhan no ano passado, antes de se espalhar pela China.

A epidemia levou o governo a trancar as cidades onde vivem dezenas de milhões de pessoas, à medida que a raiva aumenta com a forma como lidou com a crise, especialmente depois que um médico que denunciou um crime foi vítima do vírus.

Novo coronavírus: locais de quarentena em todo o mundo
Mapa mostrando alguns dos diferentes locais de quarentena no mundo para o novo coronavírus

O vice-premiê Sun Chunlan, em uma visita a Wuhan em quarentena nesta semana, instruiu as autoridades a adotar uma abordagem “em tempo de guerra” ao implementar medidas drásticas que incluem vasculhar a cidade em busca de moradores febris.

Com o pânico crescente em todo o mundo – mais de 320 casos surgiram em quase 30 outros países – os pesquisadores estavam correndo para encontrar tratamentos e uma vacina para combater o vírus.

Quarentena de Hong Kong

Hong Kong começou a impor uma quarentena de duas semanas para quem chegasse da China continental, sob ameaça de multas e prisão.

A maioria das pessoas poderá ficar em quarentena em casa ou em hotéis, mas enfrentará telefonemas diários e verificações no local.

O centro financeiro tem 25 casos confirmados com um paciente que morreu no início desta semana.

A cidade está no limite porque o vírus reviveu as memórias do surto de SARS que matou 299 na cidade semi-autônoma.

Na última semana, Hong Kong foi atingida por uma onda de compras de pânico nas prateleiras dos supermercados, frequentemente esvaziadas de produtos básicos.
Na última semana, Hong Kong foi atingida por uma onda de compras de pânico nas prateleiras dos supermercados, frequentemente esvaziadas de produtos básicos, como papel higiênico, desinfetante para as mãos, arroz e macarrão.

As autoridades de Hong Kong esperam que as novas medidas parem virtualmente o fluxo de pessoas através da fronteira, permitindo que a cidade permaneça abastecida com alimentos e mercadorias do continente.

A epidemia de SARS deixou profundas cicatrizes psicológicas e selou os residentes com uma profunda desconfiança das autoridades em Pequim, que inicialmente encobriram o surto.

Na última semana, Hong Kong foi atingida por uma onda de compras de pânico nas prateleiras dos supermercados, frequentemente esvaziadas de produtos básicos, como papel higiênico, desinfetante para as mãos, arroz e macarrão.

O governo culpou rumores infundados de escassez.

Navio de cruzeiro em quarentena

Outros governos ao redor do mundo endureceram suas defesas, com vários países proibindo chegadas da China e aconselhando seus cidadãos a não viajarem para lá.

As principais companhias aéreas suspenderam voos de e para a China.

Navios de cruzeiro asiáticos se tornaram um ponto focal, já que dezenas de casos foram confirmados em um navio na costa do Japão
Navios de cruzeiro asiáticos se tornaram um ponto focal, já que dezenas de casos foram confirmados em um navio na costa do Japão

Os navios de cruzeiro asiáticos se tornaram um ponto focal, já que dezenas de casos foram confirmados em um navio na costa do Japão.

Sessenta e quatro pessoas a bordo do Diamond Princess, em Yokohama, deram resultados positivos e os passageiros a bordo do navio de cruzeiro foram solicitados a permanecer dentro de suas cabines para evitar novas infecções.

Outro navio de cruzeiro que transporta um passageiro suspeito de infecção por coronavírus não poderá atracar no sul do Japão, informou o governo.

Em Hong Kong, 3.600 pessoas foram confinadas a bordo do World Dream, onde oito ex-passageiros testaram positivo para o vírus.

Médico herói

No continente, a morte na sexta-feira de um médico de Wuhan que foi repreendido pela polícia depois que ele enviou mensagens de alerta sobre o vírus em dezembro provocou uma rara manifestação de dor e raiva nas mídias sociais.

Li Wenliang, um oftalmologista que contraiu a doença enquanto tratava um paciente, foi elogiado como um “herói”, enquanto as pessoas no Weibo, como o Twitter, protestavam contra “funcionários gordos” e exigiam “liberdade de expressão”.

Li Wenliang, um oftalmologista que contraiu a doença enquanto tratava um paciente, foi elogiado como um "herói".  enquanto p
Li Wenliang, um oftalmologista que contraiu a doença durante o tratamento de um paciente, foi elogiado como um “herói”, enquanto as pessoas no Weibo, como o Twitter, criticaram “funcionários gordos” e exigiram “liberdade de expressão”.

Vídeos compartilhados no Weibo mostraram um pequeno grupo de pessoas assobiando na noite de sexta-feira em frente a um tributo floral a Li no Hospital Central de Wuhan, onde ele morreu.

Enquanto as pessoas na China fumegavam, o governo expressou condolências e ordenou uma investigação.

O governo de Wuhan concederá à família de Li 800.000 yuanes (114.000 dólares) em compensação coberta pelo “seguro de acidentes de trabalho”, segundo a agência de notícias oficial Xinhua.

Cientistas lutam

Enquanto isso, os pesquisadores estão se esforçando para desenvolver um medicamento para combater o vírus.

O departamento de saúde dos EUA está trabalhando com a empresa farmacêutica Regeneron para desenvolver um tratamento usando uma classe de medicamentos que aumentou as taxas de sobrevivência entre pacientes com Ebola.

Há duas semanas, médicos chineses confirmaram que estavam dando medicamentos anti-HIV para pacientes com coronavírus em Pequim, com base em um estudo de 2004 publicado após o surto de SARS que mostrou respostas “favoráveis”.

Cientistas de todo o mundo também estão trabalhando para desenvolver uma vacina, que, segundo especialistas, pode levar meses.