Pelo menos 26% de nossos oceanos precisam de atenção urgente de conservação para preservar a biodiversidade marinha da Terra, segundo um estudo internacional da Universidade de Queensland.

O Dr. Kendall Jones disse que a comunidade internacional precisa aumentar rapidamente os esforços de conservação marinha para manter a saúde dos oceanos do planeta.

Como preservar os nossos oceanos?

“A preservação de uma porção de habitat para todas as espécies marinhas exigiria 8,5 milhões de quilômetros quadrados de novas áreas de conservação”, disse Jones.

“Atualmente, um terço de todas as espécies marinhas tem menos de 10% de sua área coberta por áreas protegidas.

“A conservação das áreas que foram identificadas daria a todas as espécies marinhas uma quantidade razoável de espaço para viver livre de impactos humanos, como pesca, transporte comercial ou escoamento de pesticidas”.

Os autores mapearam mais de 22.000 habitats de espécies marinhas e aplicaram uma abordagem matemática para identificar a área mínima necessária para capturar uma porção de cada faixa de espécies.

Eles também incluíram áreas de importância internacional para a biodiversidade (conhecidas como Áreas-Chave da Biodiversidade) e áreas onde os impactos humanos nos oceanos são extremamente baixos (conhecidos como áreas selvagens marinhas).

Eles descobriram que a área total do oceano necessária para conservação variava de 26 a 41%, dependendo da proporção de cada espécie conservada.

As principais regiões de conservação incluem o Oceano Pacífico do Norte, próximo à China e Japão, e o Atlântico entre a África Ocidental e as Américas.

O diretor de ciências da Sociedade de Conservação da Vida Selvagem e o professor James Watson, cientista da UQ, disseram que os resultados demonstram a necessidade de maiores esforços de conservação em todo o mundo.

“As nações do mundo se reunirão na China este ano para assinar um acordo que guiará a conservação global pelos próximos dez anos”, disse o professor Watson.

“Essa ciência mostra que os governos devem agir com ousadia, como fizeram no Acordo de Paris sobre as mudanças climáticas, se quisermos parar a crise de extinção que muitas espécies marinhas enfrentam”.

O professor Watson disse que é crucial que as estratégias globais de conservação envolvam ações rápidas para proteger espécies e ecossistemas ameaçados, combinadas com abordagens para gerenciar de maneira sustentável o oceano em sua totalidade.

“Não se trata apenas de áreas marinhas protegidas”, disse ele.

“Precisamos usar uma ampla gama de estratégias, como zonas de não pesca, reservas marinhas comunitárias e políticas de larga escala para acabar com as operações de pesca comercial ilegais e insustentáveis”.

Os autores enfatizam que a conservação do oceano era essencial para as pessoas e a biodiversidade.

“Milhões de pessoas em todo o mundo dependem da biodiversidade marinha como fonte crucial de alimento e renda”, disse o professor Watson.

“Um acordo de conservação global bem projetado ajudará a preservar esses meios de subsistência no futuro”.