Os restos de um dinossauro carnívoro de 90 milhões de anos de idade, distante do Tiranossauro rex, foram descobertos na Patagônia Argentina por uma equipe de paleontologistas.

O terópode de quatro metros de comprimento (13 pés de comprimento) foi descoberto em fevereiro de 2018 na província argentina central de Rio Negro.

Os cientistas batizaram de Tralkasaurus cuyi, informou nesta quinta-feira a Agência de Divulgação Científica da Universidade Nacional de La Matanza.

Tralkasaurus significa “réptil de trovão” na língua mapuche indígena comum na Patagônia. Cuyi refere-se ao local onde os restos fósseis foram encontrados, El Cuy.

O tralkasaurus teria sido diminuído por seu primo distante Tyrannosaurus rex, que poderia crescer até 14 metros de comprimento.

“O tamanho do corpo do Tralkasaurus é menor do que outros carnívoros do grupo – os abelisaurídeos”, disse Federico Agnolin, pesquisador do Museu Argentino de Ciências Naturais.

Outros abelisaurídeos geralmente mediam de sete a 11 metros.

Isso “demonstra que o grupo de terópodes abelisaurídeos englobava um nicho ecológico muito mais amplo do que pensávamos”, disse Mauricio Cerroni, outro pesquisador.

A equipe encontrou um crânio, dentes, costelas e parte do quadril e cauda.

Assim como o Tiranossauro, era um bípede de pescoço curto e musculoso, com quatro garras em cada uma das pernas traseiras e braços muito curtos em comparação com o resto do corpo. Os ossos de suas extremidades eram leves e ocos.

“Essa nova descoberta nos ajuda a definir os hábitos ecológicos de dinossauros carnívoros e herbívoros”, disse Cerroni.

Segundo os pesquisadores, o Tralkasaurus possivelmente se alimentou de pequenos dinossauros herbívoros chamados iguanodontes que foram encontrados nas proximidades pela mesma equipe de pesquisadores.