Por muitos anos, os pesquisadores discordaram sobre o motivo pelo qual algumas áreas globais têm uma maior quantidade de riqueza de espécies, enquanto outras quase não têm espécies. Em outras palavras, o que explica a distribuição desigual da biodiversidade na Terra?

Alguns pesquisadores afirmaram que a riqueza de espécies de uma região reflete principalmente o número de novas espécies que evoluem por lá e que as espécies se dispersam mais ou menos aleatoriamente nessas áreas. Outros argumentaram que altos níveis de energia ambiente – como altas temperaturas e amplas chuvas que estimulam o crescimento das plantas – estabelecem um limite superior para quantas espécies podem coexistir localmente. Mas agora, parece que uma terceira explicação provavelmente desempenha o papel mais importante.

Em um novo estudo, pesquisadores da Universidade de Copenhague e da Smithsonian Institution investigaram as distribuições geográficas de todas as espécies de três classes diferentes de vertebrados na América do Sul: aves, mamíferos e anfíbios.

“Os biólogos discutem esse problema há mais de cem anos e apresentam todo tipo de explicação provável – mas ainda precisamos encontrar a resposta final. Com este estudo, podemos dizer que a riqueza de espécies não é apenas uma conseqüência mecânica de uma clima contemporâneo com alta energia ambiente na forma de radiação solar e crescimento de plantas. A pesquisa mostra que a causa subjacente à riqueza de espécies deve ser encontrada em grande parte na evolução. As espécies animais têm seus nichos evolutivos que controlam como se dispersam”, afirma Michael. K. Borregaard, Professor Associado do Centro de Macroecologia, Evolução e Clima do Instituto GLOBE.

Os padrões das espécies seguem habitats naturais

Michael K. Borregaard, do Centro de Macroecologia, Evolução e Clima (CMEC) do Instituto GLOBE, liderou o novo estudo em colaboração com o professor Carsten Rahbek, diretor do CMEC, e Gary R. Graves, do Museu Nacional de História Natural da Smithsonian Institution, eles desenvolveram novos modelos para calcular e explicar a riqueza de espécies na América do Sul.

Seus modelos são baseados em anfíbios, pássaros e mamíferos. Eles registram as espécies da classe animal especificada dentro de quadrados de 110 a 110 quilômetros e investigam quantas delas estão presentes nas áreas circundantes. Dessa forma, os pesquisadores podem descrever como a composição das comunidades de espécies muda em todo o continente, obtendo assim uma indicação de como elas podem ter se dispersado.

“Quando observamos a distribuição das espécies, vemos um padrão claro. E esse mesmo padrão surge independentemente de observarmos pássaros, anfíbios ou mamíferos, que são grupos inteiramente distintos. O padrão de composição de espécies compartilhadas segue muito de perto os limites”. dos vários habitats naturais ou biomas da vegetação da América do Sul. Isso confirma nossa hipótese de que a riqueza de espécies é explicada pela maneira como os nichos naturais dos animais limitam a dispersão pelo continente ao longo do tempo evolutivo. um papel fundamental para a biodiversidade”, explica Michael K. Borregaard.

O maior ponto de acesso de biodiversidade do mundo

Os pesquisadores dividiram todo o continente sul-americano em quadrados de grade de 110 x 110 quilômetros e registraram a presença de todas as espécies de animais nas três classes: 2869 espécies de pássaros, 1146 espécies de mamíferos e 2265 espécies de anfíbios.

“Escolhemos a América do Sul porque é o maior ponto de acesso de biodiversidade do mundo. E os contrastes entre os biomas da vegetação são enormes. Existem limites bem distintos entre a Amazônia, a savana do Cerrado e a Cordilheira dos Andes, porque são tipos de vegetação natural claramente separados. “, acrescenta Michael K. Borregaard.

Ele explica que estudos como o presente são essenciais para que a comunidade internacional resolva a crise global da biodiversidade. “No momento, temos uma crise mundial, onde estamos perdendo espécies a uma taxa elevada. Se quisermos resolver essa crise, precisamos saber o que causa a biodiversidade. Sem esse conhecimento, será difícil proteger a riqueza das espécies.