Turma do Negócio Certo Rural de Navegantes (Ilhota). (Fotos Divulgação)
Turma do Negócio Certo Rural de Navegantes (Ilhota).(Fotos Divulgação)

O Programa Especial Negócio Certo Rural (NCR), que iniciou no fim de setembro, realiza duas novas turmas em Santa Catarina: uma em Lages e outra em Navegantes (Ilhota). A iniciativa é do Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR/SC), órgão vinculado à Federação da Agricultura e Pecuária (FAESC), com a parceria dos Sindicatos dos Produtores Rurais de Lages e Ilhota.  

Com carga horária de 46 horas e turmas formadas por no máximo 14 participantes devido às restrições da pandemia, o curso é ministrado pela prestadora de serviços de instrutoria Marlinde Hoepers. O objetivo é capacitar produtores rurais para promover conhecimento e garantir uma gestão eficiente nos negócios agropecuários. A técnica em atividades de formação profissional do SENAR/SC, Nayana Setubal Bittencourt, explica que o programa trabalha conteúdos como diagnóstico da propriedade rural; identificação de ideias, plano e viabilidade do negócio; organização e administração do negócio; além de gestão da propriedade com atividades em sala e consultorias nas propriedades rurais.

Segundo o presidente do Sistema FAESC/SENAR/SC, José Zeferino Pedrozo, o Negócio Certo Rural promove o desenvolvimento das propriedades com a aplicação de ferramentas simples de gestão. “A iniciativa qualifica a gestão, estimula o empreendedorismo e representa uma excelente oportunidade para o empreendedor rural adquirir novas competências e buscar soluções para o dia a dia da propriedade”.

O superintendente do SENAR/SC, Gilmar Zanluchi, ressalta que a iniciativa tem tudo para trazer expressivos resultados na gestão das propriedades rurais. “O Negócio Certo Rural auxilia no aproveitamento dos potenciais dos negócios do campo e transmite técnicas para que as famílias planejem e façam uma gestão de forma organizada e com mais segurança. Percebemos que tudo isso vem sendo desenvolvido com êxito graças à metodologia e a dedicação dos participantes. Não temos dúvidas que formaremos duas turmas muito bem-sucedidas”.

NEGÓCIO CERTO RURAL EM ILHOTA (NAVEGANTES)

Jocelma Schernovski atua com foco na olericultura e produção de morangos. O que a motivou a participar do programa foi o próprio nome “Negócio Certo Rural”.  “Sempre quis fazer o negócio fluir e se tornar rentável e vi que o curso seria ideal para buscar essas ferramentas. Espero conhecer e aprender a gerenciar o meu negócio do jeito certo, tendo visão e as estratégias de uma empresa próspera”.

Na visão do presidente do Sindicato Rural de Ilhota, Dionísio Scharf, as expectativas para esse novo programa são as melhores. “Pelo que observamos, o curso será essencial para auxiliar no planejamento e gestão dos negócios rurais de forma organizada, possibilitando o desenvolvimento de habilidades empreendedoras, o que amplia as oportunidades de melhoria na administração e, consequentemente, da renda dos produtores rurais. Não temos dúvidas de que assim como outras soluções oferecidas pelo Sistema FAESC/SENAR-SC, essa será mais uma ação de sucesso”.

NEGÓCIO CERTO RURAL EM LAGES

Irineu Pamplona Filho conta com uma propriedade rural voltada à cria, recria e terminação de gado. Segundo ele, o que o motivou a participar do Negócio Certo Rural foi a busca de novas ideias e formas de gestão e administração. “Do curso, espero, com ampliação do conhecimento, encontrar formas e informações que ajudem na melhoraria do meu negócio, visualizando os erros e os acertos para tomarmos as melhores decisões”.

Outro participante do grupo é Lucas Wolff Branco que trabalha com gado de corte de raças europeias, mais especificamente hereford e braford e também com angus aberdeen. “Os dois primeiros vêm da paixão pela docilidade do animal e pretendíamos seguir somente com eles, mas pelo que avaliamos de mercado, optamos por criar angus também. Trabalhamos especificamente com cria e fazemos, ainda, a recria de fêmeas e inseminação para venda de animais inseminados e com alto nível de qualidade. Por isso, estamos sempre nos informando e buscando cursos que nos profissionalizam e ajudam a manter a qualidade em alta com melhoria contínua”.

Sobre a participação no Negócio Certo Rural, Lucas destaca que a motivação veio da esposa que o incentivou por saber o quanto valoriza estar atualizado e informado. “Gosto muito de participar de dias de campo, palestras direcionadas para o agronegócio e costumo dizer que sou muito focado nos objetivos. Então, tudo o que tiver nessa área, costumo participar. Ainda mais quando temos referências de bons instrutores Além de conhecimento e network, o que espero é aquele despertar para aquilo que, muitas vezes, a gente conhece, mas que fica algum detalhe que pode ser melhorado. Esses cursos direcionados nos trazem muitos ganhos”, ressalta ao mencionar que também fez o curso de inseminação e a própria família insemina os animais com o auxílio do Programa de Assistência Técnica e Gerencial (ATeG).

O produtor, que tem três filhas, também fala sobre o sonho da sucessão. “Minha esposa e eu queremos dar sequência nesse trabalho e sabemos que não é impondo, mas sim, motivando. Queremos que nossas filhas participem, mas claro, tentando valorizar o que cada uma mais gosta. Entendemos que talvez alguma delas atue em outra área, mas queremos plantar uma sementinha para que, se um dia voltar para o negócio, tenha conhecimentos e lembranças da família trabalhando junto”, conclui.

O presidente Sindicato Rural de Lages, Márcio Cícero Neves Pamplona, observa que o Negócio Certo é um projeto inovador porque leva qualificação de forma específica para cada propriedade. Cada estabelecimento rural tem seu negócio analisado, discutido e pode avaliar a viabilidade. O nome já determina, o produtor fará um projeto, vai ter um foco dentro da propriedade em uma atividade que passará por uma análise que elimina os riscos de dar errado.

Pamplona acrescenta que considera extremamente interessante a iniciativa de lançar esse novo programa. “Isso faz parte do nosso objetivo como entidade, Sindicato, Federação e SENAR/SC, que é a qualificação, o aumento da produtividade, a geração de renda para fixação do proprietário no meio rural. Esse é mais um programa que, com certeza, dará certo e poderá se estender para o nosso Estado”, finaliza.