Curitiba, Paraná 12/5/2020 –

Para pais/responsáveis com filhos em casa nesse momento de isolamento social têm sido um desafio lidar com tantas atividades pessoais e profissionais.

Para pais/responsáveis com filhos em casa nesse momento de isolamento social têm sido um desafio lidar com tantas atividades pessoais e profissionais. Como conciliar o home office com o homeschooling? Pensando nesse assunto, a mestre em educação e psicopedagoga Ana Regina Caminha Braga deu algumas dicas de como os responsáveis podem agir para tornar esse momento produtivo para ambos.

O chamado homeschooling, (educação domiciliar) é uma prática comum em alguns países, mas no Brasil ainda é uma novidade que gera algumas discordâncias e discussões em torno do assunto. Contudo, neste momento pandêmico, a prática foi a alternativa encontrada pelas escolas para que os alunos continuem e aprendam os conteúdos escolares dentro da realidade de cada um, sem sair de casa e mantendo o isolamento social como solicita a Organização Mundial da Saúde (OMS) e o Ministério da Saúde.

Algumas escolas optaram por aulas on-line de maneira síncrona (tempo real) com a presença do professor na transmissão do vídeo, no horário em que o aluno estaria na escola; outras enviaram vídeos de forma assíncrona (gravado) para o aluno assistir; e algumas preferiram transmitir as aulas pela televisão. Todas as opções com conteúdo virtual para aproximar os professores dos alunos.

No entanto, com este cenário é necessário contar com a presença e a mediação dos pais/responsáveis ao organizar a rotina semanal do seu filho; para isso acontecer, é preciso dialogar e explicar como acontecerá o novo desafio para todos: escola, aluno e família.

A psicopedagoga reforça que a rotina é parte essencial para colocar o homeschooling em prática e de forma eficiente. O ideal é que os pais/responsáveis estipulem um local específico da casa (se houver a possibilidade) para que o aluno possa ficar durante as aulas, e assim mantenha-se concentrado e organizado para esse momento. “A minha orientação é um lugar calmo, que não seja o quarto, o local em que ficam os brinquedos ou o computador, por exemplo. Dessa forma, o conteúdo será melhor compreendido e o aluno assimilará de forma significativa e consciente o conhecimento proposto”.

Ana Regina contribui também ao destacar a importância de intercalar o estudo com os momentos lúdicos e brincadeiras, afinal, o equilíbrio em tempos de isolamento social é primordial se refletirmos que na escola, a rotina também é dividida com momentos diversificados.

Outro aspecto relevante é os pais/responsáveis manterem a calma na hora de explicar o conteúdo para o filho, sendo um mediador e incentivador. Caso perceba que ele não entendeu, ou você, responsável, não esclareceu a dúvida a contento, é possível anotar a atividade ou dificuldade em questão para saná-la junto ao professor. Outra alternativa é buscar outros meio e ferramentas que sejam mais lúdicas, simples e atrativas.

“Os pais/responsáveis agora podem acompanhar com precisão o planejamento e o trabalho desenvolvido pelos professores em sala de aula, inclusive conhecer os materiais e instrumentos, como diversas atividades, projetos e ludicidade para a construção da aprendizagem do seu filho. Apesar de não vivenciarmos dias estáveis, esse é o momento para que os pais/responsáveis se aproximem ainda mais dos seus filhos, estreitando os laços, passando mais tempo juntos e serem conhecedores conscientes dos conteúdos contemplados e repassados pela escola,” afirma a psicopedagoga.

 

Crédito foto: Cintya Hein.

Website: https://www.facebook.com/anareginacaminhabraga