Roberto Noronha
Roberto Noronha

Não é tarefa fácil garantir a proteção dos remanescentes de Mata Atlântica, das restingas, brejos e manguezais da nossa Região dos Lagos, áreas que sofrem grande pressão antrópica. E a falta de investimentos e falta de efetiva gestão por parte do poder público tornam essa missão um imenso desafio, que exige esforços coletivos para conquistar ações de proteção, como uma forte fiscalização ambiental, regularização fundiária, ordenamento das atividades econômicas (uso público), entre outras ações. Essa é a realidade do Parque Estadual da Costa do Sol Anita Mureb.

Nesse cenário adverso existe ainda um grande problema: os ataques ao Parque Estadual, seja em discursos pelo seu fim, seja por propostas de retiradas de áreas protocoladas no INEA, seja por interferência de deputados estaduais na ALERJ.

A partir de uma declaração de um conhecido político buziano em uma reunião de conselho, surgiu o termo Extermínio. Desse modo, podemos chamar de Exterminadores do PECS as pessoas, especialmente proprietários de terras e políticos, que pregam o fim do Parque. Já os Desafetos do PECS são alguns proprietários, em Búzios, Arraial do Cabo, Saquarema…, que querem retirar importantes áreas naturais do Parque para fins basicamente imobiliários. Querem transformar áreas de restinga e brejo, por exemplo, em lotes, condomínios e prédios. Sabemos que atores são esses. Alguns fazem discursos bonitos, mas não conseguem enganar a todos. O PECS tem um grande grupo de protetores atentos, pessoas comuns que reconhecem sua importância e estão dispostas a defendê-lo.

Sabemos que os proprietários têm seus direitos, como o de serem indenizados pelo Governo do Estado. Então, unamos esforços pela regularização fundiária. O que eles não podem, e não terão apoio, é ignorar a relevância ambiental das áreas e agir exclusivamente por interesse financeiro. Os interesses individuais não podem sobrepor-se aos interesses coletivos.

Vamos unir esforços em defesa do PECS, pela sua efetivação, pelo bem comum. E para isso, precisamos enfrentar os Exterminadores e os Desafetos. Em frente!

Roberto Noronha Campos, biólogo.