São Paulo 16/6/2020 –

Ricardo Amorim fala sobre o cenário atual, o retrocesso do processo de globalização e as novas tendências.

A crise global provocada pela pandemia do novo coronavírus trouxe impactos socioeconômicos negativos muito fortes e acirrou as tensões levando a outros problemas emergirem, como os protestos raciais nos EUA e o movimento anti-China. No Brasil, a tensão na questão política tem escala maior do que nos outros países, principalmente considerando que as eleições presidenciais ainda estão muito distantes e os grupos políticos estão tentando manipular a população, colocando-se como vítimas e não como causadores desse processo.

Estas e outras considerações fazem parte do cenário político-econômico traçado pelo economista mais influente do Brasil segundo a Forbes, Ricardo Amorim. Em entrevista exclusiva para a Revista RI de junho, ele observa que a redução de riqueza e de renda gerou a necessidade de dois tipos de estímulos numa escala que a humanidade nunca viu: o fiscal e o monetário. Mas, manter políticas assim por um longo prazo leva a riscos elevados para a economia, como a insolvência dos Estados e o retorno da inflação.

Estas e outras considerações encontram-se na Revista RI de junho, que já pode ser acessada em http://www.revistari.com.br/242