Rio de Janeiro
Rio de Janeiro

O CDP, uma organização ambiental internacional sem fins lucrativos, anuncia as 88 cidades do mundo*¹ que, apesar das pressões para combater a COVID-19, lideraram a ação ambiental e a transparência durante 2020. A lista inclui cidades como Bristol (Reino Unido), Miami (EUA), Cidade do Cabo (África do Sul), Buenos Aires (Argentina), Recife (Brasil), San José (Costa Rica) e Auckland (Nova Zelândia).

• Apesar da pandemia do novo coronavírus, 34% das cidades são novas na A List deste ano.

• A A List deste ano mostra um grande progresso, desde a assinatura do Acordo de Paris em 2015, demonstrando que uma ação ambiental urgente e de impacto é possível;

• Apenas 61% das cidades na A List deste ano (54/88) divulgaram seus dados ambientais por meio do CDP em 2015.

• Em 2015, metade das cidades na A List de 2020 (44/88) não relatou metas de redução de emissões de gases de efeito estufa (GEE). Hoje, todas elas reportaram metas e 38% (33/88) visam atingir emissões líquidas zero até 2050 ou antes.

• Todas as cidades da A List também fizeram progresso na construção de resiliência às mudanças climáticas, relatando planos de adaptação aos impactos climáticos. Em 2015, apenas 30% (26/88) das cidades da A List de 2020 relataram tais planos.

As 88 cidades na A List de 2020 do CDP Cities receberam a classificação mais alta por seus esforços para reduzir as emissões de gases de efeito estufa (GEE) e construir resiliência aos impactos das mudanças climáticas. Juntas, elas estão dando um exemplo de ações para combater as mudanças climáticas. É necessário urgentemente que outras cidades e governos nacionais sigam o exemplo dessas cidades para a redução das emissões e aumento da resiliência, protegendo o planeta, a economia e os cidadãos.

Apesar da pandemia da Covid-19, 34% das cidades são novas na A List deste ano, incluindo Newcastle (Reino Unido), Louisville KY (EUA), Firenze (Itália) e Municipalidad de Peñalolén (Chile). Essas cidades e outras da A List de 2020 estão trabalhando para tornarem seus municípios lugares saudáveis ​​e prósperos para se viver e trabalhar, ao mesmo tempo que reduzem as emissões e aumentam rapidamente a resiliência contra a crise climática.

Este ano, os EUA representam o maior número de cidades (25) na A List, totalizando 28%, apesar de terem saído do Acordo de Paris. Enquanto a América Latina representa quase 10% desse total de cidades da A List. No entanto, a realidade é bastante diversa para as cidades do hemisfério sul.

Projetada para impulsionar e apoiar as cidades a aumentar sua ação e ambição climática, a A List do CDP é baseada em dados ambientais divulgados por centenas de cidades por meio da Plataforma Unificada CDP-ICLEI em 2020.

Para obter uma pontuação A, uma cidade deve ter reportado publicamente um inventário de emissões de GEE para a escala comunitária, definir uma meta de redução de emissões, possuir uma análise de riscos e de vulnerabilidade e publicar um plano de ação climática para a mitigação e adaptação às mudanças climáticas, demonstrando como reduzirá as emissões e perigos climáticos agora e no futuro, entre outras ações

Necessidade contínua de ação ambiental urgente na cidade

Cinco anos desde que o Acordo de Paris foi assinado, a ciência do clima mais recente nos diz que as emissões globais devem ser reduzidas à metade até 2030 e chegar a zero líquida até 2050 para evitar mudanças climáticas catastróficas. As cidades da A List deste ano demonstram que uma ação impactante e urgente é possível. Embora quase 40% das cidades na A List deste ano não tenham divulgado ao CDP em 2015, elas agora estão demonstrando liderança na transparência.

A análise mostrou que o número de cidades da A List de 2020 que relataram metas de redução de emissões mais que dobrou desde 2015, com 38% dessas cidades definindo metas de zero líquido até 2050 ou antes. As cidades também fizeram progressos na construção de resiliência às mudanças climáticas. Em 2015, apenas 30% das cidades da A List de 2020 relataram ter um plano de adaptação. As ações realizadas pelas cidades A List incluem envolvimento e educação da comunidade, plantio de árvores e criação de espaços verdes e mapeamento de enchentes.

Kyra Appleby, Diretora Global de Cidades, Estados e Regiões do CDP disse:

“Elogiamos as 88 cidades do CDP Cities A List por sua transparência e ação contra as mudanças climáticas e redução das emissões. Elas estão construindo lugares resilientes, saudáveis ​​e prósperos para viver e trabalhar, ao mesmo tempo que reforçam seu compromisso com o Acordo de Paris”.

Ela acrescenta: “No entanto, a ciência é clara – devemos categoricamente reduzir as emissões globais pela metade até 2030 e atingir o zero líquido até 2050 para limitar os impactos da crise climática. O mundo ainda vive uma crise de saúde pública, mas a ação ambiental não pode desacelerar. As cidades na A List 2020 demonstram resiliência e ambição, e nós as parabenizamos por sua liderança no combate às mudanças climáticas”.

Andreia Banhe, Gerente-Sênior de Cidades, Estados e Regiões do CDP Latin America, reforça que:

“Os municípios latino-americanos deverão suportar grande parte do impacto do aquecimento global, levando os governos municipais a ter um papel importante nas atividades de gerenciamento de riscos climáticos e redução das emissões, uma vez que seus efeitos são sentidos no nível local. Uma vez identificados por estas cidades que entendem a necessidade de adotar padrões mais sustentáveis, esses efeitos da mudança do clima não são observados apenas pelo viés econômico, mas também com benefícios de bem-estar para todas as pessoas que lá vivem. Esses municípios já estão um passo à frente neste caminho da busca pela sustentabilidade. Na edição do CDP Cities 2020, tivemos oito cidades da nossa região fazendo parte da A-List. Os desafios são enormes, ainda mais nesse ano em que fomos atingidos pela pandemia do novo coronavirus, mas podemos perceber através dos resultados e análises não somente dessas cidades, mas das demais participantes, que os municípios estão dando uma resposta positiva no enfrentamento das mudanças climáticas”, completa Andreia Banhe.

Os próximos passos para as cidades

Embora tenha havido um grande progresso, mais precisa ser feito e por um maior número de cidades. Um próximo passo significativo é definir metas baseadas na ciência para reduzir rapidamente as emissões de acordo com a limitação do aumento da temperatura global para 1,5° C. As cidades poderão aprender mais sobre isso e como participar da campanha Race To Zero da UNFCCC com o apoio de um guia de metas climáticas baseadas na ciência para cidades, com lançamento no dia 18 de novembro.

A lista completa de cidades A List está publicada aqui .

Para ver todos os dados relatados por cidades, visite o Portal de Dados Abertos do CDP aqui .