Selo verde é uma rotulagem ambiental de produtos certificados, que apresentam menor impacto no meio ambiente em relação a outros produtos semelhantes disponíveis no mercado. No Brasil, essa certificação segue a NBR ISO 14020.

O objetivo da rotulagem ambiental é favorecer a evolução da qualidade ambiental dos produtos, de modo a torná-los menos agressivos ao meio ambiente, além de desempenhar suas funções com alta qualidade, consumindo o mínimo possível de recursos ambientais no seu ciclo de vida. Estes produtos também devem seguir as diretrizes de não conter nenhuma substância que possa ser perigosa ao meio ambiente ou à saúde humana quando forem utilizados.

A Alemanha foi o primeiro país a implementar uma rotulagem ambiental nacional para produtos, o programa se chama Blue Angel e a partir dele, se tornou referência para vários países.

As normas ISO que apresentam o tipo de rotulagem são classificadas em 3 tipos, onde:

TIPO 1 – ISO 14024TIPO 2 – ISO 14021TIPO 3 – ISO 14025
Rótulo baseado em programaAutodeclaração feita por fabricantes, importadores, comerciantes ou outros que possam se beneficiar da declaraçãoDeclaração contendo informações quantificadas sobre parâmetros ambientais em produtos e serviços previamente definidos.
Endereçados a consumidores finaisEndereçado às empresas
Considera o ciclo de vida do produtoNão considera o ciclo de vida do produtoConsidera o ciclo de vida do produto
Exige certificação de terceirosNão exige certificação de terceirosExige certificação de terceiros

Segue assim as seguintes diretrizes:

  • ISO 14020:2002 – Rótulos e declarações ambientais princípios gerais.
  • ISO 14021:2004 – Rotulagem tipo 2 (Autodeclarações – diretrizes e definições e uso de termos)
  • ISO 14024:2004 – Rotulagem tipo 1 (Certificação com abordagem qualitativa da ACV)
  • ISO 14025:2004 – Rotulagem tipo 3 (Declaração com abordagem quantitativa da ACV)

E como são identificados cada tipo de rótulo? Segue uma breve explicação dos 3 tipos.

Rótulo Ambiental Tipo 1: Conhecido como Selo Verde, tem como objetivo reduzir os impactos ambientais da categoria de produto selecionado. O selo verde consiste em um símbolo impresso no rótulo da embalagem e é concedido por um programa de terceira parte (normalmente um órgão de certificação nacional, que no caso do Brasil, é a ABNT) que fornece uma licença autorizando o uso deste rótulo ambiental.

Rótulo Ambiental Tipo 2: este rótulo é uma declaração de cunho ambiental que a empresa divulga no rótulo das embalagens de seus produtos e que fazem referências ao desempenho ambiental do produto, como por exemplo “reciclável”, “consumo de energia reduzido”. As autodeclarações foram normalizadas pela ISO com o objetivo de evitar o uso de expressões indefinidas.

Rótulo Ambiental Tipo 3: Contém uma série de dados ambientais quantitativos baseados em estudos de Análise de Ciclo de Vida (ACV) desenvolvidos por terceira parte especificamente para o produto em questão, devendo ser submetido a uma revisão crítica. Este rótulo tende a ser mais aplicado em relações comerciais ao invés de ser divulgado ao público em geral.

Aqui alguns exemplos de selos nos produtos comercializados no Brasil: PROCEL, INMETRO, MAPA, ABIC, ABNT, FSC, entre outros.

Mas, o Selo Verde, por ser uma rotulagem que apresenta uma qualidade ambiental dos produtos, é utilizada também como uma “maquiagem verde”, mais conhecida como Greenwashing, onde é feita uma ação de marketing que acaba por confundir o consumidor final sobre as práticas ambientais de uma empresa ou os benefícios ambientais de um produto ou serviço.

Uma pesquisa realizada em 2014 no Brasil sobre Greenwashing identificou alguns aspectos, onde:

  • Cosméticos e produtos de higiene pessoal apresentam mensagens vagas ou vazias ao consumidor
  • Produtos de limpeza cometem uma variedade maior de ações do Greenwashing,
  • As marcas pecam mais pela incerteza e por apresentar símbolos que transmitem a ideia de certificações que, na prática, não existem.
  • Apenas 7% dos produtos verdes encontrados apresentavam algum tipo de certificação de terceira parte. Os selos originais correspondem 5% do total de apelos.

No Greenwhashing a principal forma de convencer o consumidor é chamando a atenção para informações irrelevantes. São meios que se aproveitam do aumento da demanda por produtos ligados à sustentabilidade do planeta, em decorrência do agravamento dos problemas ambientais.

Porém hoje em dia a situação já se encontra melhor. Há menos espaço para declarações sem prova e para camuflar custos ambientais atrás de características pontuais dos produtos.