Brasília, DF 30/10/2013 –

O Estádio Nacional de Brasília será palco, no dia 31 de outubro, da abertura do 4º Seminário Nacional ViraVida, que apresentará, sob a direção de Fred Mayrink, um espetáculo com a participação de mais de 400 jovens participantes do projeto socioeducativo do Conselho Nacional do SESI (Serviço Social da Indústria). Na plateia, três mil crianças de escolas públicas do Distrito Federal e representantes de instituições públicas, privadas e Organizações Não Governamentais (ONGs).

“O objetivo é atrair a atenção da sociedade para o tema, para que, juntos, possamos fortalecer a Rede de Enfrentamento à Exploração Sexual de Crianças e Adolescentes”, ressalta o presidente do Conselho Nacional do SESI, Jair Meneguelli.

A iniciativa faz parte do projeto ViraVida, criado em 2008, pelo Conselho Nacional do SESI, que atende jovens com idade entre 16 e 21 anos, de baixa renda e com histórico de violência sexual. Durante um ano, o projeto prepara os beneficiados para o mercado de trabalho, oferecendo cursos técnicos profissionalizantes e educação básica, além de atendimento psicossocial, médico e odontológico. Atualmente, o programa está presente em 23 cidades, de 19 Estados brasileiros, e já atendeu mais de 3,7 mil jovens.

Segundo o presidente do Conselho Nacional do SESI, a meta é encerrar o ano de 2014 com o projeto implantado em todas as capitais do país. “Esses jovens têm um grande potencial e muito talento. Se dermos uma oportunidade a eles, estaremos não só incluindo-os socialmente, como também assegurando a força de trabalho e a capacidade de consumo que movem a economia”, afirma.

Programação
Com o tema Poder Jovem – Inovar e Transformar, o seminário contará com oficinas, palestras e debates no Centro de Convenções Ulysses Guimarães, até o dia 2 de novembro. Entre os temas estão questões ligadas ao universo juvenil como cuidados com a saúde, sexualidade, redes sociais, emprego e empreendedorismo. A expectativa é reunir mais de mil jovens.

Durante o seminário, os participantes do projeto escreverão Carta da Juventude ViraVida, que manifesta os desejos dos participantes por uma sociedade mais justa, democrática e sustentável. O documento será entregue à presidente Dilma Rousseff.

Estudo do Impacto
No dia 1º de novembro, serão lançadas três publicações no Seminário: um livro com relatos dos jovens, o balanço do programa e a cartilha da ANDI sobre como abordar o tema de violência infantil na mídia.

O livro Histórias de Vidas Transformadas narra histórias comoventes de jovens que com educação e apoio psicológico conseguiram sair da situação de exploração e entrar para o mercado de trabalho. “É muito gratificante ler esses relatos e saber que eles estão caminhando para a cidadania e que não farão parte das alarmantes estatísticas de violência entre os jovens brasileiros”, afirma Meneguelli.

A apresentação do relatório da Avaliação de Impacto Financeiro, Econômico e Social do programa ViraVida vai mostrar o retorno social e financeiro do programa. Segundo a pesquisa, cada R$ 1 investido no programa gerou retorno médio de R$ 1,47 para a sociedade. No total, foram investidos R$ 41,82 milhões, incluindo remuneração dos profissionais envolvidos no atendimento e na formação dos jovens, manutenção de instalações e equipamentos, compra de materiais, alimentação e bolsas de estudos concedidas aos alunos. A riqueza líquida do programa em quatro anos foi de R$ 19,22 milhões, que é a diferença entre o valor investido e a renda gerada para os jovens e seus familiares.

Na ocasião, será apresentado o balanço do projeto ViraVida, criado em 2008 pelo Conselho Nacional do SESI, seus primeiros resultados e expectativas de expansão. O projeto conta com a parceria do Sistema S (Sesi, Senai, Sesc, Senac e Sebrae, Sescoop), de empresas públicas, como a Caixa Econômica Federal (CEF), o Banco do Nordeste (BNB), empresas privadas e o apoio de organismos internacionais como o Fundo das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) e Organização Internacional do Trabalho (OIT).

De acordo com Meneguelli, a receptividade do setor empresarial ao projeto ViraVida é bem positiva, mas ainda pode melhorar “Se cada empresário do país abrir uma vaga de trabalho em sua empresa, será possível empregar todos esses jovens”, afirma.

Serviço:
4º Seminário Nacional ViraVida
Data: 31 de outubro a 2 de novembro
Abertura: Estádio Nacional de Brasília
Local: Centro de Convenções Ulysses Guimarães

Projeto ViraVida
Ao longo de mais de quatro anos, mais de 3,7 mil jovens foram matriculados no projeto ViraVida do Conselho Nacional do SESI. Atualmente, o programa é desenvolvido em 19 estados, abrangendo 23 cidades, entre elas Brasília, Fortaleza, Salvador, Recife, Rio de Janeiro, São Paulo. Do total, 1.854 alunos concluíram os cursos e 1.235 estão em sala de aula. Dos formados, 1.159 estão inseridos no mercado de trabalho, enquanto o restante participa de processos de seleção e aperfeiçoamento profissional.

O ViraVida é dirigido a jovens e adolescentes entre 16 e 21 anos, meninas e meninos de famílias de baixa renda, que residem nas periferias de grandes centros e têm sua história de vida marcada por experiências relacionadas à violência física e psicológica, gravidez precoce e dependência química.

A proposta socioeducativa é coordenada pelos Departamentos Regionais do SESI, que possuem equipe multidisciplinar integrada por psicólogos, pedagogos e assistentes sociais. Os cursos realizados pelo SESI, SENAI, SENAC, SESC, SEST, SENAT, SEBRAE e SESCOOP combinam formação profissional e educação básica, com abordagem de temas como cidadania, saúde, doenças sexualmente transmissíveis, cuidados com o corpo, orçamento familiar e direitos humanos.