Tempestade tropical Eta
Vista aérea de um deslizamento de terra causado pelo Eta e onde estima-se que dezenas de pessoas morreram na aldeia de Queja, em San Cristobal Verapaz, Guatemala, em 7 de novembro de 2020

A tempestade tropical Eta trouxe fortes ventos e chuvas torrenciais a Cuba no domingo, depois de ter aberto um caminho destrutivo e mortal por partes da América Central e sul do México.

Esperava-se que a tempestade se voltasse para a Flórida mais tarde e se intensificasse, com o Centro Nacional de Furacões dos Estados Unidos dizendo que “a previsão era de que a tempestade se aproximasse da força de um furacão quando chegar perto ou sobre Florida Keys”.

O instituto de meteorologia de Cuba, Insmet, disse que o Eta atingiu a costa às 4h30 (0930 GMT) na fronteira entre as províncias centrais de Sancti Spiritus e Ciego de Avila.

Seus ventos máximos sustentados eram de cerca de 100 quilômetros por hora (cerca de 60 milhas por hora) com rajadas mais altas, disse o instituto.

Uma tempestade tropical é considerada um furacão quando atinge velocidades de vento de 119 quilômetros por hora.

Chuvas intensas foram registradas na metade oriental de Cuba, onde as autoridades evacuaram milhares de pessoas devido ao risco de inundações.

Insmet disse que se espera que ventos fortes produzam fortes ondas e aumento do nível do mar na costa sul.

Acrescentou que o Eta continuaria cruzando a província de Ciego de Avila antes de passar pela costa norte e virar para noroeste em direção à Flórida.

O governador da Flórida, Ron DeSantis, declarou estado de emergência nos condados do sul do estado no sábado, antes da tempestade, mesmo quando os moradores na chuva protestaram ou comemoraram a vitória de Joe Biden nas eleições presidenciais dos Estados Unidos .

Florida Keys vai fechar as escolas na segunda-feira, os locais de teste do COVID-19 foram temporariamente fechados e as autoridades abriram abrigos e começaram a distribuir sacos de areia para os residentes para proteger suas casas das inundações.

O Eta atingiu a Nicarágua na terça-feira como um poderoso furacão antes de perder força.

Causou chuvas torrenciais que deixaram cerca de 200 vítimas mortas ou desaparecidas na América Central.

O país mais afetado foi a Guatemala, onde cerca de 150 pessoas estão desaparecidas.

Equipes de resgate buscaram neste sábado os corpos de moradores de uma aldeia indígena no norte do país que foi atingida por um deslizamento de terra.

Em Honduras, fortes enchentes no norte e noroeste do país mataram 23 pessoas, segundo autoridades.

Torrencial chuva e uma frente fria amarga ligada a Eta também reivindicaram pelo menos 20 vidas no estado mexicano de Chiapas.