São Paulo, SP 24/10/2013 –

Pesquisas demonstram que 70% dos idosos sofrem com algum tipo de perda auditiva. Ficar mais velho é um processo natural, assim como a diminuição da audição.

A Fonoaudióloga do Hospital Paulista, Christiane Mara Lombardi explica que entre os sintomas mais comuns causados pela presbiacusia – perda de audição por envelhecimento – estão a dificuldade para escutar a TV e o rádio, pedir para repetir várias vezes a mesma coisa e a falta de compreensão das palavras, principalmente em locais com muitas pessoas onde não terá a leitura labial.

Muitos idosos ao enfrentarem situações como as citadas anteriormente, levarão ao isolamento sendo acometidos pela depressão, mas a dica é: não se exclua (ou afaste) e deixe de lado os preconceitos! Você não está sozinho, algumas pessoas precisam usar óculos, outras precisam usar aparelhos auditivos para ouvir melhor.

A boa notícia é que atualmente existem tecnologias modernas que podem colaborar para o restabelecimento da audição. O importante é procurar ajuda de um especialista que terá condições de avaliar o grau da perda e identificar as reais necessidades e o aparelho correto.

Hoje existem diversos tipos de aparelhos auditivos que permitem uma melhor adaptação, conforto e ganho de audição. Os modelos mais comuns são: intracanal – que fica completamente dentro do conduto auditivo, intra-aurecular – que ocupa a concha da orelha e retroauricular – localizado atrás da orelha. Há ainda a possibilidade de tratamento realizado com implantes cirúrgicos: Coclear e Baha.

A perda de audição é facilmente resolvida, sua audição faz parte do seu convívio em sociedade, ouvir bem ajuda a construir relacionamentos saudáveis. “Hoje é o melhor dia da vida, porque é o presente, e ouvindo bem é possível ganhar qualidade de vida, aproveitando o que ela tem de melhor”, finaliza a especialista.

Sobre o Hospital Paulista

Fundado em 1974, o Hospital Paulista ampliou competência para outros segmentos, durante sua trajetória, com destaque para Fonoaudiologia, Alergia Respiratória e Imunologia, Distúrbios do Sono, Halitose, procedimentos para Cirurgia Cérvico Facial, bem como Buco Maxilo Facial.

Em localização privilegiada (próximo ao Metrô Vila Mariana), possui 42 leitos, dois de UTI e 10 salas cirúrgicas, realizando em média, por mês: 600 cirurgias, 7.500 consultas no ambulatório e Pronto Socorro e, aproximadamente, 1.500 exames especializados.

Referência em Otorrinolaringologia e com alta resolutividade, apresenta índice de infecção hospitalar próximo à zero. Dispõe de profissionais de alta capacidade, professores-doutores, sendo catalisador de médicos diferenciados e oferece excelentes condições de suporte especializado 24 horas.