previdencia complementar

A previdência privada ainda gera muitas dúvidas para as pessoas, especialmente por suas categorias e possibilidades como os planos fechados e a previdência complementar aberta. Esse tipo de investimento é importante a longo prazo e pode garantir rendas estáveis para que o trabalhador não dependa apenas da aposentadoria pelo INSS.

Você sabe do que se trata a previdência privada e a sua categoria de plano aberto? Vamos falar mais sobre ele, confira!

O que é previdência complementar?

Antes de falar sobre a categoria aberta da previdência complementar, é preciso entender esse tipo de previdência como um todo. A previdência complementar, ou privada, trata-se de uma espécie de poupança extra para as aposentadorias dos trabalhadores.

Diferente das contribuições do INSS, ela não é obrigatória e pode ser escolhida de forma individual por cada cidadão. Esse tipo de previdência é um investimento a longo prazo e que pode ser determinado de acordo com o perfil do investidor.

O Regime de Previdência Complementar (RPC) é desvinculada da previdência pública (RGPS ou RPPS) e o valor a ser recebido reflete diretamente de quanto e por quanto tempo o trabalhador contribui para esse investimento, como uma espécie de regime de capitalização.

O que é a previdência complementar aberta?

A previdência complementar é dividida nas modalidades abertas e fechada. Os planos fechados têm entidades que os mantém e só podem ser adquiridos por pessoas que fazem partes de grupos previamente selecionados por essas entidades. É o caso de bancos ou empresas que contam com fundos de pensão exclusivo, por exemplo.

A previdência complementar aberta é fiscalizada pela Superintendência de Seguros Privados, a Susep e são oferecidos por bancos ou entidades seguradoras, podendo ser contratados por pessoas físicas ou jurídicas, independente de seu vínculo profissional.

Dentro desse plano, existem duas categorias que podem ser contratadas pelos investidores, que são o PGBL e o VGBL.

Plano Gerador de Benefício Livre – PGBL

Esse plano é indicado para aqueles que possuem renda mensal elevada e declaram completo o imposto de renda com diversas deduções. Nesse plano, os contribuintes podem optar por abater o imposto de renda no momento do saque do valor total.

No PGBL, o imposto incide sobre o valor final a ser resgatado, independentemente do valor e do tempo em que ele será retirado. Porém, para sua contratação, há o limite de contribuição de até 12% da renda mensal do investidor.

Vida Gerador de Benefício – VGBL

Ao contrário do PGBL, esse plano é indicado para quem não possui renda alta, que declara o imposto de renda direto na fonte ou para quem deseja aplicar mais do que 12% da renda anual na previdência.

No VGBL, o imposto incide apenas sobre os rendimentos da aplicação durante o seu período acumulado e não do valor total a ser sacado.

Como escolher uma previdência complementar aberta?

Agora que você está mais por dentro do que significa uma previdência privada aberta e suas categorias, confira algumas dicas referente a como escolher o tipo certo para você.

Escolha entre PGBL e VGBL

É importante avaliar qual plano tem mais a ver com seu perfil financeiro. Você tem alta renda ou baixa? Declara imposto de renda completo ou simplificado? É preciso entender esses pontos e identificar qual das duas modalidades é mais indicada para seu planejamento.

Entenda e defina o regime de tributação

A previdência complementar aberta tem dois modelos de tributação, o progressivo e regressivo. No regressivo, o imposto varia de acordo com o prazo de investimento. Ou seja, quanto mais tempo de aplicação, menor é a alíquota cobrada sobre a renda resgatada.

  • Até 2 anos: 35%
  • De 2 a 4 anos: 30%
  • De 4 a 6 anos: 25%
  • De 6 a 8 anos: 20%
  • De 8 a 10 anos: 15%
  • Acima de 10 anos: 10%.

Já o regime progressivo tem alíquota de 15% sobre o valor de incidência de IR na fonte e pode ser uma opção interessante para quem pretende resgatar o benefício em parcelas.

Compare as taxas

Como a previdência complementar é oferecida por bancos e seguradoras, elas possuem taxas diferentes de acordo com quem a oferece. Portanto, é essencial comparar todas elas e identificar quais planos são mais rentáveis e vantajosos.

Tenha atenção às taxas de administração, carregamento de entrada e saída e taxa de performance.

Entender como funcionam os planos é essencial para escolher um rendimento que tenha a ver com seu perfil e te traga bons valores ao longo do tempo. Aproveite que agora você sabe mais sobre esse tipo de investimento e reflita se ele pode fazer parte de seu planejamento financeiro!