O governador Wilson Witzel determinou, na manhã deste sábado, reforço na mobilização da ajuda estadual aos municípios da Região dos Lagos que tiveram suas praias invadidas por gigogas das Lagoas de Carapebus e do Paulista, no Norte Fluminense. A situação pode se agravar porque a Lagoa do Paulista foi aberta novamente, sem autorização, no início da manhã deste sábado.

Witzel tomou a decisão após ouvir um relato do secretário estadual de Turismo, Otávio Leite, que está preocupado com a poluição ambiental das praias, no principal destino turístico do estado, na véspera da alta temporada de verão.

— Novamente abriram a barra irresponsavelmente. A situação estava praticamente consolidada. Vamos fazer intervenção com máquinas para tentar fechar  barra – lamentou o secretário de Meio Ambiente de Quissamã, Luiz Carlos Fonseca.

Por causa das toneladas de gigogas que chegaram às praias, a Bandeira Azul teve que ser arriada na Praia do Peró na tarde de sexta-feira, quando foi feita uma força-tarefa para limpar as praias do Peró e Conchas. A bandeira – símbolo internacional de qualidade – foi novamente hasteada neste sábado, mas as gigogas, trazidas pelas correntes marítimas, não param de chegar às praias:

— O governador está acompanhando atentamente o problema. Eu salientei a preocupação com o setor de turismo e ele determinou reforço no auxílio aos municípios – disse o secretário Otávio Leite.

Na manhã do sábado, representantes do movimento Amigos do Peró fizeram um relato da situação ao secretário de Turismo, que esteve em Cabo Frio participando da cerimônia de hasteamento da Bandeira Azul. Ele também foi informado da situação crítica nas praias de Búzios, onde equipes do INEA estão atuando neste sábado em auxílio à prefeitura.

— A situação está feia em Búzios e não está tendo limpeza. A mais afetada é a Praia da Rasa. É gigoga que não acaba mais. Na Ponta do Pai Vitório, é coisa de afundar o pé. Tem montes de mais de um metro de altura de gigogas – contou Daniel Ribeiro, dos Amigos do Peró.

O crime ambiental é alvo de investigação da Delegacia da Polícia Federal de Macaé. A barra da Lagoa de Carapebus foi aberta por populares e pela prefeitura, com autorização do Icmbio. A do paulista por populares.Procurado, o Ministério do Meio Ambiente não retornou os contatos para explicar a apuração de responsabilidades na abertura das lagoas. O Ministério Público Federal (MPF) retornou, informando que o caso está com o procurador de Macaé, mas que as medidas só serão divulgadas após o recesso das festas de fim de ano. A superintendência da Polícia Federal no Rio não retornou o pedido de informações sobre a investigação que está sendo feita pela Delegacia de Macaé.