WTC São Paulo lança novo modelo de negócios ao mercado global

O World Trade Center São Paulo Business Club lançou oficialmente ao mercado um ecossistema formado por organizações e negócios que une marketing 360 graus com foco em digital, inteligência de mercado, pesquisas e people analytics com atuação em nível mundial – a Startwp. A estimativa das empresas participantes é de um crescimento em 30% dos seus negócios e resultados já no primeiro ano de criação.

O lançamento aconteceu na manhã desta sexta-feira (26), durante o webinar WTC Transformation com o tema “Quais as mudanças e cenários de investimentos em marketing pós-covid-19”. Cerca de 250 pessoas estiveram conectadas à transmissão.

O encontro contou com as participações do CEO da Startwp, Leonardo Figueiró, e do co-fundador, Leonardo Coelho, além do CMO da WebMotors, Rafael Constantinou, da head de Digital Marketing da PepsiCo, Gabriela Alves, do diretor de Marketing da Pizza Hut, Rodrigo Munaretto, e o fundador da ScaleUp University e O Real Empreendedor, Frederico Flores.

“A ideia desse encontro foi falar sobre as mudanças no cenário de marketing e discutir as tendências de mercado. É evidente que esse cenário digital irá crescer ainda mais, por isso, destacamos esse tema para repercussão no dia de hoje. Com a Startwp, apresentaremos soluções para que as pequenas, médias e grandes empresas, possam acelerar a entrada nesse universo”, disse o CEO da Startwp, Leonardo Figueiró.

Na apresentação dos convidados, o co-fundador, Leonardo Coelho, reforçou os objetivos da Startwp. “Estamos sempre pensando em contribuir com o mercado e com as inovações. A Startwp é o resultado das nossas conversas e inquietações, quando formamos um grupo com múltiplos olhares e saberes. A nossa ideia é que o ecossistema venha conectar os serviços oferecidos pelas empresas ao coração dos clientes”, ressaltou.

Frederico Flores foi o primeiro a se apresentar, ressaltando as dificuldades do cenário atual somadas à velocidade das informações. “Relevância é a palavra de ordem, independentemente da atuação da empresa. Estamos passando por uma fase, onde está nítido que as marcas, produtos e empresas precisam do marketing digital. Hoje, com a velocidade da comunicação e mídias sociais, cada pessoa é considerada uma vitrine ou televisão das marcas, e se tornaram os verdadeiros propagadores da comunicação”, explicou o fundador da ScaleUp University e O Real Empreendedor.

Abordando as complexidades do mercado, Rafael Constantinou, falou sobre os movimentos da WebMotors por conta do isolamento social, em que as pessoas precisaram ficar em casa com impactos drásticos sobre o mercado automotivo. “Estamos vivendo um momento ímpar. E a velocidade da informação é o que mais tem nos impressionado. Essa crise foi um verdadeiro divisor de águas, onde nos reorganizamos no chamado ‘antes e pós-Covid-19’”, acrescentou o CMO empresa.

Diretor de Marketing da Pizza Hut, Rodrigo Munaretto, revelou que, com a pandemia, os processos das empresas tornaram-se 100% online. “O nosso setor sentiu um impacto de 50% a 90% de queda. Várias empresas que não estavam preparadas para o mundo digital e deliverys, tiveram que fechar as suas portas. A crise causada pela Covid-19 acelerou alguns anos da tecnologia nos negócios. Hoje, para se destacar nesse meio é necessário explorar o setor, encontrando nichos ainda não explorados por outras marcas”, alertou.

Acompanhando a fala de Muneratto, a head de Digital Marketing da PepsiCo, Gabriela Alves, reforçou que o setor de alimentos precisou repensar as suas ações. “Logo que a pandemia foi divulgada, a nossa primeira ação foi proteger a vida dos colaboradores. Sobre as estratégias do mundo digital, o primeiro passo foi analisar o contexto, enxergando o que realmente fazia sentido para o momento. Atualmente, o ambiente é o digital, mas quando isso passar, é necessário que as empresas revejam o comportamento do consumidor, o que ele estará disposto a ouvir, ler e compartilhar”.

Ela destacou a ação envolvendo o jogador de futebol, Daniel Alves, que já estava cotado para realizar uma campanha e que, por conta do isolamento, teve de ser redesenhada. “A gravação acabou sendo feita pelo próprio jogador, com o celular particular dele, em uma medida inusitada em reação às mudanças de cenário”, contou Gabriela.